Sexta, 08 Março 2019 16:35

Ao encontro dos que não chegam até nós

Escrito por  Pe. Agnaldo Soares Lima, SDB
Classifique este artigo
(0 votos)
Ao encontro dos que não chegam até nós iStock.com

O apelo que o próximo Capítulo Geral dos Salesianos (CG28) vai trazer para toda a Congregação, e suas diferentes presenças no mundo, é um convite para ressignificarmos obras e serviços junto aos jovens.

 

O que se quer alcançar é sermos capazes de ir ao encontro da juventude olhando para a realidade, o contexto atual e seus desafios. O Reitor-mor, padre Ángel Fernández Artime, nos interpela: “Qual deveria ser o perfil do salesiano de hoje e do futuro? A realidade atual não é a mesma de quarenta anos atrás e também as respostas não podem ser as mesmas. Queremos responder fielmente aos jovens de hoje e de amanhã. Os jovens vivem hoje situações diversas em relação a quarenta anos... Vivem imersos num mundo digital, no mundo apaixonante do voluntariado juvenil, na realidade da formação profissional, na dolorosa realidade dos jovens explorados, dos jovens imigrados. Essas realidades têm uma força desconhecida para nós, situações das quais não se falava há 30 ou 40 anos”.

 

O caminho para uma resposta efetiva ao pedido do próximo CG28 passa, necessariamente, pela coragem de sairmos das nossas estruturas e avançarmos para dentro das comunidades onde estamos inseridos, ou as quais queremos alcançar com o Projeto Educativo Pastoral Salesiano. A Rede Salesiana Brasil, na sua dimensão social (RSB-Social), vem perseguindo este objetivo por meio de seis “compromissos fundamentais”, que as mais de 114 frentes de atuação social assumiram a partir de 2015.

 

Em três etapas, ao longo das próximas edições do Boletim Salesiano, queremos compreender o que pedem alguns desses compromissos e como poderão ajudar o trabalho social salesiano a ofertar respostas mais efetivas e atuais aos desafios que envolvem a vida de crianças, adolescentes e jovens.

 

Compromissos fundamentais da RSB-Social

Os dois primeiros compromissos se aproximam e se complementam: “Promoção dos direitos humanos das crianças, dos adolescentes e dos jovens” e “Gestão Social e atuação em Rede”. Com ambos, a RSB-Social quer, de forma integrada e articulada em uma ação em rede, alargar seus horizontes:

  1. Para assegurar não apenas alguns direitos, já contemplados nos projetos hoje desenvolvidos pela RSB-Social, mas para todo o conjunto dos direitos fundamentais, necessários para assegurar o desenvolvimento integral dos seus destinatários: educação, saúde, assistência social, cultura, esporte, lazer, profissionalização etc.;
  2. Por entender que esses são direitos aos quais devem ter acesso não apenas as crianças, os adolescentes ou os jovens que chegam até uma obra salesiana, mas todos os que vivem em sociedade e que não chegam até nós. Para tanto, queremos usar mais e melhor os espaços de articulação (Conselhos, Centros de Defesa, Fóruns de Debates...) para mobilizar o poder público, as instituições e a sociedade em geral e, juntos, assegurarmos para todos direitos amplos e com qualidade;
  3. A promoção, a garantia e a efetividade do conjunto dos direitos fundamentais passam necessariamente por uma qualificada gestão social e políticas públicas asseguradas de forma concomitante. As necessidades pelas quais passa uma criança ou um jovem em situação de vulnerabilidade são diversas, e não é suficiente atender uma ou outra, deixando para trás as demais. Daqui nasce o compromisso de, enquanto RSB-Social, nos capacitarmos para atuar junto ao poder público, levando-o a implementar de forma articulada as diferentes políticas públicas que, por sinal, são tema da Campanha da Fraternidade de 2019. Só assim será possível assegurar “todos os direitos para todos”.

 

Em favor da vida

Ao assumir estes compromissos a RSB-Social renova sua fidelidade a Dom Bosco e aos jovens. São João Bosco, na sua ação educativa, atuou junto às autoridades constituídas do seu tempo e trabalhou para oferecer aos destinatários da sua missão educativa do pão à moradia, da profissionalização à garantia dos direitos trabalhistas, do esporte à cultura e a arte, do respeito e dignidade aos que estavam presos ao igual tratamento para os que estavam enfermos. Tinha a consciência de que todos eram filhos e filhas de Deus e, com audácia criativa, coragem e determinação, procurou ser para todos a expressão visível do amor de Deus. Cuidou para que não faltassem as condições para torná-los dignos cidadãos aqui na terra e, ao mesmo tempo, cristãos comprometidos com o bem, que pudessem alcançar um dia o céu.

 

Na esteira do Pai e Mestre da Juventude e de Madre Mazzarello, que com ele fundou as Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), somos desafiados a trazer para os dias atuais a fidelidade ao carisma e a avançarmos para as novas periferias das juventudes: ricas em oportunidades, mas empobrecidas de recursos materiais e de valores cristãos; envolvidas pelas boas conquistas da tecnologia, mas também pelas mazelas que estas trazem consigo; circundadas pela expansão do conhecimento, mas também pela alienação das drogas; abraçadas por amplos e bonitos horizontes de futuro, tantas vezes ofuscados pela violência e pela falta de esperança.

 

Se os desafios são grandes, como Dom Bosco e Madre Mazzarello queremos criar um “vasto movimento em favor da vida” e queremos você como nosso parceiro(a).

 

Acesse a União pela Vida no site: www.upv.org.brou pelo aplicativo nas lojas IOS e Android

Lido 663 vezes Modificado em Sexta, 08 Março 2019 17:33

Deixe um comentário