Ciclo do Natal: preparação, celebração e prolongamento

Na época do Natal, o mundo cristão se enche de luz para lembrar a nova luz, sol nascente entre as trevas do pecado: Jesus, que veio para os que o esperavam e se manifestou para o mundo inteiro.

 

Todos nós temos experiência do Ano Civil, que começa no dia 1º de janeiro e termina em 31 de dezembro. Nele comemoramos fatos importantes de nossa história, feriados nacionais, datas cívicas etc. A Igreja, por sua vez, tem o Ano Litúrgico. Nele comemoramos fatos importantes de nossa história da Salvação através dos diferentes tempos litúrgicos: Advento, Natal, Tempo Pascal, Tempo Comum.

 

O Ano Litúrgico compreende dois ciclos fundamentais: o Ciclo Pascal, que é o mais importante; e o Ciclo de Natal. Cada um desses ciclos inclui um período de preparação, um período de celebração e um prolongamento.

 

Ciclo de Natal

Este ciclo celebra a vinda de Cristo e sua manifestação como Deus – a Epifania.

Podemos resumir seu significado em uma única expressão: “Das trevas à luz”. E, de fato, nesta época, o mundo cristão se enche de luz para lembrar a nova luz, sol nascente entre as trevas do pecado: Jesus, que veio para os que o esperavam e se manifestou para o mundo inteiro. Na verdade, o Natal é a festa mais popular na maioria das culturas do mundo ocidental. O grande problema é o consumismo exagerado ao seu redor.

 

Preparação: o Advento

O Advento (do latim adventos, que quer dizervinda, chegada) se desenvolve em quatro semanas. As duas primeiras semanas anunciam a segunda vinda de Cristo: quando ele virá no final dos tempos, para o julgamento solene da humanidade. As duas últimas semanas anunciam a primeira vinda: seu nascimento em Belém, anunciado pelos profetas, sobretudo Isaías e João Batista, o precursor de Cristo.

Figura importante neste período é Maria, grávida de Jesus, que nos prepara para o grande mistério do nascimento de Cristo. Como a mãe Maria esperando o filho nascer, assim também nós aguardamos ansiosamente Jesus nascer na comunidade, em cada um de nós, e se manifestar ao mundo!

O Advento é a espera da vinda de Cristo para cada um, o tempo que desperta em nós o desejo do Salvador. Temos a esperança de que “ele virá” trazendo um jeito diferente de ver o mundo, as pessoas, os acontecimentos. É também um tempo de conversão, de mudança de vida: não haverá alegria, esperança e festa sem retornar ao Senhor de todo o coração.

 

Celebração: o Natal

Em Belém surge o novo sol, a luz que ilumina a todos. É o Natal propriamente dito (do latim: Natale Solis invicti, que significa “Nascimento do Sol invicto”). A Igreja cristianizou a festa da Roma pagã ao deus Sol, no dia 25 de dezembro, celebrando Jesus Cristo como Overdadeiro Sol, A verdadeira Luz do mundo, que vence as trevas do pecado!

É a celebração do que o evangelista João nos relata: “A Palavra se fez homem e habitou entre nós” (1,14). O Deus invisível torna-se visível em um corpo humano, um bebê frágil como qualquer ser humano. O presépio, nascido com São Francisco de Assis no século XIII, é o símbolo por excelência desta festa.

A Novena de Natal, que é realizada em muitas comunidades, é uma ótima oportunidade para se preparar para essa festa, levando as pessoas a vivenciarem o seu verdadeiro sentido:  Jesus nasce de novo a cada Natal, naqueles que aceitam sua mensagem do Reino e procuram viver o que Ele ensinou.

 

Prolongamento

Várias festas são celebradas depois do Natal, todas ligadas ao nascimento do Salvador. Uma é a Festa da Sagrada Família, em que Jesus é o centro: na pessoa dele, Deus e o homem estão unidos para sempre. Também há a solenidade da Mãe de Deus, no oitavo dia depois do Natal – o Evangelho lembra a circuncisão de Jesus, quando Ele recebeu seu nome.

Na Epifania do Senhor, a vinda dos reis magos simboliza o universalismo do Evangelho: todos os povos são chamados à salvação. E celebra-se ainda o Batismo do Senhor - festa que aponta para a missão de Jesus, ungido pelo Espírito, e faz lembrar o nosso batismo. Com esta festa, encerra-se o Ciclo de Natal.

 

Padre Osmar Bezutte, SDB, é membro da Equipe Gestora da Pastoral, em apoio ao delegado da Pastoral Juvenil, e assessor para o Canto Litúrgico na Arquidiocese de Campo Grande; assistente da Região Brasil das Voluntárias de Dom Bosco (VDB) e conselheiro espiritual da Região Centro-Oeste para o Movimento das Equipes de Nossa Senhora.

Lido 23865 vezes
Classifique este artigo
(3 votos)
Publicado em Liturgia
Marcado com
Padre Osmar Bezutte

Padre Osmar Augusto Bezutte

Diretor da Casa Beata Maria Romero de Rondonópolis, MT; assistente Regional das VDB (Região Brasil) e Conselheiro Espiritual Provincial (Província Centro Oeste) do Movimento das Equipes de Nossa Senhora no Brasil.

Deixe um comentário