O lugar de Maria na liturgia

A devoção mariana é uma realidade no meio de nosso povo. É o reflexo do amor que o mundo católico e ortodoxo tem pela Mãe de Jesus, Mãe de Deus e Mãe nossa. Essa devoção é comprovada pelos seus inúmeros títulos e santuários pelo mundo afora, e a expressão desse amor à Mãe celeste está em celebrações, ritos e procissões.

Relato duas experiências desse amor do brasileiro pela nossa “mãezinha do céu”:

- O Círio de Nazaré. A aglomeração de dois milhões de pessoas na maior festa popular do Pará, em homenagem a Nossa Senhora, com tudo o que tem direito: reunião das famílias, envolvimento de autoridades civis, militares e religiosas, flores, guirlanda, corda, procissão, “promesseiros”, fé verdadeira, emoção, suor, lágrimas e sangue... Nó na garganta várias vezes ao concelebrar a eucaristia, ao participar da procissão, ao ver a corda chegando à praça com a turma cantando: “Mãe, estamos chegando...”.

- Aparecida. Nosso grupo do Curso de “Atualização em Liturgia” fez-se romeiro, com a metodologia da “observação participante”. Senti de perto o calor da devoção do romeiro em diversas entrevistas. Numa delas o casal dizia: “A gente vem sempre em janeiro. Para nós, não tem sentido começar o ano sem Maria”.

 

O que diz a Igreja

O Documento de Aparecida fala da piedade popular como lugar de encontro com Jesus Cristo (258 a 265) e, ao falar de Maria, diz que “nossos povos... encontram a ternura e o amor de Deus no rosto de Maria. Nela veem refletida a mensagem essencial do Evangelho”.

O Concilio Vaticano II¸ com o capítulo oitavo da Lumen Gentium, coloca com todas as letras quem é Maria na história da Salvação, seu papel de Mãe de Deus e da Igreja e sua mediação materna; com a Sacrosanctum Concilium (documento sobre a Liturgia), situando o Mistério Pascal como centro de toda a história da salvação, coloca as testemunhas deste mistério nas celebrações dos próprios mistérios de Cristo, especialmente a bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, em quem vê e exalta o mais excelso fruto da redenção (SC 103).

A exortação apostólica Marialis cultus (o culto de Maria), de Paulo VI, afirma que a reforma litúrgica “permitiu que (no calendário litúrgico) fosse inserida de maneira mais orgânica, e com uma ligação mais íntima, a memória da mãe no ciclo dos mistérios do Filho” (2).

 

O que diz a liturgia

Nas orientações da Igreja, “Maria está intimamente ligada ao mistério do Filho, e sua missão está unida à dele, desde o seu nascimento até à cruz e ressurreição. Por isso, desde o início a intuição da fé incluiu na memória da páscoa de Jesus a memória de sua mãe, valendo-se de sua intercessão e olhando Maria como a ‘cheia de graça’, símbolo do Israel fiel, a discípula grávida do Verbo, a primeira entre os discípulos e discípulas de Jesus, aquela que acreditou e que seguiu Jesus até o fim. A liturgia, assumindo o poder da oração de Maria, tão forte na devoção popular, reforça a sua condição de criatura em relação a Deus e de discípula em relação ao Cristo, evitando atribuir a Maria título ou função própria de Cristo” (Penha Carpanedo, in Liturgia em Mutirão, “O lugar de Maria na liturgia”, pg. 209, edições CNBB, 2007).

Vamos para um exemplo prático: no dia 12 de outubro, o calendário romano contempla a solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira principal do Brasil. Vejamos o que a liturgia propõe para a missa (eucaristia) do dia:

Antífona da Entrada:

“Com grande alegria rejubilo-me no Senhor; e minha alma exultará no meu Deus, pois me revestiu de justiça e salvação, como a noiva ornada de suas joias” (Is 61,10).

Salmo Responsorial (44):

Refrão: “Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: que o Rei se encante com vossa beleza!”

Aclamação ao Evangelho:

Verso após o Aleluia: “Disse a Mãe de Jesus aos serventes: ‘fazei tudo o que Ele disser!’”

Antífona da Comunhão:

“Seus filhos se erguem, para proclamá-la bem-aventurada. Ela se levanta antes da aurora para dar o alimento a cada um” (Pr 31, 28.15).

Vê-se claramente a ligação profunda de Maria com o mistério de Jesus e do próprio Deus.

Para ajudar-nos a celebrar bem esta missa, vamos conferir os cantos do CD Festas Litúrgicas III, Paulus, 2003. Aí se encontra a missa própria de Nossa Senhora Aparecida, dentro do espírito do canto litúrgico, com as letras que falam do mistério de Maria dentro do mistério de seu filho Jesus e do mistério da Igreja. São letras inspiradas na Bíblia, na própria liturgia e na vida do povo!

 

Agora, algumas perguntas:

- Qual a compreensão que sua comunidade (seu ministério de música, sua equipe de liturgia) tem sobre o lugar de Maria na obra da redenção?

- Como isso aparece nas celebrações marianas de sua comunidade?

- Você conhece os cantos de Festas Litúrgicas III, que contempla três grandes festas marianas: Assunção, Nossa Senhora Aparecida e Imaculada Conceição?

O desafio é grande, porque implica em sair do costumeiro, do lugar comum, do contentar-se com cantos marianos populares durante a celebração, sem levar em conta o que pede a liturgia e o que pede a Palavra de Deus! Mãos à obra! Ainda está em tempo!

Lido 11948 vezes
Classifique este artigo
(3 votos)
Publicado em Liturgia
Marcado com
Padre Osmar Bezutte

Padre Osmar Augusto Bezutte

Diretor da Casa Beata Maria Romero de Rondonópolis, MT; assistente Regional das VDB (Região Brasil) e Conselheiro Espiritual Provincial (Província Centro Oeste) do Movimento das Equipes de Nossa Senhora no Brasil.

Deixe um comentário

1 comentário

  • Ligação de comentário Alirio Franzoi Quinta, 11 Dezembro 2014 11:36 postado por Alirio Franzoi

    Acabei de conhecer o Boletim Salesiano, é obra de Deus por meio de Maria.
    Estou encarregado de equipe para organizar um livro de cantos litúrgicos para nossa comarca de Timbó-SC (Diocese de Blumenau). A proposta é de colocar os cantos na sequência da missa e para cada festa litúrgica oficial e mas as seções de cantos marianos, dos padroeiros e missas temáticas, tudo o mais liturgicamente correto possível. Outro meta é colocar no livro somente cantos que se tenha a música, pois queremos entregar para cada grupo de canto o arquivo em mp3 com todas as músicas dos cantos do livro. Na seção dos padroeiros das comunidades cheguei ao hino a São Francisco de Sales, consegui a letra e a partitura, não consegui a música. Sendo ele de vossa autoria pedimos a autorização de sua inclusão, bem como o envio da música, em qualquer formato. Poderá ser enviada pelo e-mail. Desde já muito obrigado.
    FELIZ NATAL, E NO ANO QUE VEM, PAZ E BEM!