Missões (334)

Quinta, 14 Dezembro 2017 14:40

Reitor-mor faz apelo missionário

Escrito por

Em 1880, Dom Bosco teve uma grande satisfação: o ingresso oficial dos Salesianos na Patagônia argentina. Realizava-se assim um sonho longamente cultivado e desejado por ele, que foi “a obra mais bela da nossa congregação”, como ele mesmo escreveu ao padre José Fagnano (carta 3337). Hoje, o Reitor-mor, padre Ángel Fernández Artime, com o mesmo zelo pastoral de São João Bosco, escreveu uma carta com um “forte convite” a escutar a voz de Deus que convida os Salesianos a serem missionários. Padre Artime enviou uma carta em 8 de dezembro, “um dia muito significativo para fazer um apelo missionário ‘ad gentes’, a todas as Inspetorias do mundo e a todos os irmãos que se sentem chamados pelo Senhor a viver a nossa vocação missionária de modo especial”.

 

Quarta, 13 Dezembro 2017 12:58

A Região Pan-Amazônica em pauta

Escrito por

O Sínodo dos Bispos especial para a Região Pan-Amazônica, convocado pelo Papa Francisco para outubro de 2019, envolve profundamente a Família Salesiana

 

Ao menos uma mulher em cada três no mundo sofreu alguma forma de violência em sua vida: em casa, no trabalho, na escola, na rua. “Ninguém deve ser deixado para trás: ponhamos fim à violência contra as mulheres e as jovens” é o tema proposto pelas Nações Unidas para o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, que será celebrado no mundo todo amanhã, 25 de novembro. Os Salesianos estão na linha de frente dessa luta, sobretudo em relação às mulheres mais frágeis e vulneráveis, pertencentes às minorias e, por isso, discriminadas duas vezes.

 

“Na verdade, nunca havia pensado em ser missionário: achava que não seria capaz de vencer as dificuldades de uma terra de missão. Também porque pensava que a missão era um trabalho para... outros”, admite candidamente o padre Mark Yang, salesiano coreano. Hoje, entretanto, ele está plenamente convencido do acerto da sua opção de partir como missionário e dedicar toda a sua vida aos jovens do Camboja, no sul da Ásia. Leia a seguir o seu testemunho missionário:

 

“Ser missionário é parte de vida de todo cristão: não se pode esconder a luz que Deus acendeu em nós”. Quem fala assim, à luz dos seus mais de 35 anos de missão, é o padre Mario Pérez, Salesiano venezuelano, atualmente em ação no serviço a crianças e jovens acusados de feitiçaria em Mbuji Mayi, cidade com grandes e graves problemas sociais, na República Democrática do Congo.

 

Na manhã deste domingo (29 de outubro) dom Sergio Castriani, arcebispo de Manaus, celebrou, na área missionária Santa Maria do Rio Negro, o Crisma em 48 jovens e adultos. “Ao receberam o Sacramento do Crisma, vocês confirmarão serem filhos de Deus, membros da Igreja, e a partir de hoje passam a ser testemunhos de Jesus, sem vergonha de ser católicos e de rezar, pois anunciam o seu amor por Jesus”, disse dom Sergio durante a homilia.

 

Moçambique chegou à paz e independência depois de 18 anos de guerra civil. Foi um longo caminho de confronto entre dois exércitos, que em 1992 assinaram o tratado de paz em Roma, desmobilizando ao mesmo tempo cerca de 60.000 jovens sem qualquer perspectiva, sem formação para a vida e, o pior, com uma única formação: para a guerra.

 

Sexta, 13 Outubro 2017 16:00

Qual é a sua missão?

Escrito por

São muitos os exemplos, em todo o mundo, da ação missionária salesiana. Isso pode ser constatado nos depoimentos de missionários de vários países, publicados pela Agência Salesiana de Notícias (InfoANS) desde o início de 2017. Toque nos nomes e saiba mais sobre eles.

 

Escolas profissionais de grande qualidade, oratórios apreciados também pelos jovens muçulmanos e serviço aos refugiados e carentes, em contextos de grande pobreza: são esses os principais aspectos da presença salesiana no Egito, em Alexandria e na capital, Cairo.

 

Quinta, 05 Outubro 2017 16:45

Síria: o testemunho de Rania

Escrito por

“Viver normalmente, o quanto for possível”. É o desafio de Rania Salouji, uma mulher cristã, esposa e mãe de dois filhos que, em Alepo, na Síria, trabalha como catequista no oratório salesiano. Nos últimos anos, precisou enfrentar os traumas da guerra, o sequestro do marido, as dificuldades e reviravoltas da vida. Contudo, mesmo tendo a oportunidade de emigrar, decidiu permanecer com a família em Alepo, convencida “de ter uma missão a realizar aqui”.

 

Pagina 1 de 24