Missões (360)

Quatro professores de Educação Física da Rede Salesiana de Escolas (RSE) iniciaram uma importante missão: em 1º de julho, eles embarcaram para o Haiti, um dos países mais pobres da América e que ainda sofre as consequências do violento terremoto que afetou a região em 2010. Os educadores participam do projeto “Professores Sem Fronteiras”, uma iniciativa da RSE para compartilhar as práticas esportivas e educacionais do Brasil com os alunos das escolas e obras sociais salesianas daquele país. 

Veja como foi a despedida no aeroporto e a mensagem deixada pelos professores do projeto.

 

O padre salesiano Piero Gavioli, diretor do Centro Dom Bosco Ngangi, enviou informações sobre a situação no Norte Kivu, província da República Democrática do Congo que foi novamente atingida pela guerra civil do país no final de maio. Como porta-voz da população, o padre salesiano faz um apelo comovente para que as pessoas de boa vontade voltem seus olhos e suas orações para a região.

 

Os bombardeios flagelam o Norte Kivu, na República Democrática do Congo: morrem os inocentes, a população espaventada deixa os campos de refugiados e o Centro Dom Bosco abre mais uma vez suas portas.

Na quarta-feira, 22 de maio, ouvimos, muitas vezes e mais perto, da manhã até o início da tarde, o troar dos canhões. Depois, o silêncio, difícil de interpretar. Uma bomba caiu no bairro Ndosho, perto da Paróquia São Francisco Xavier. Uma menininha de 4 anos foi morta; um garotinho perdeu uma perna e outro, um braço; outros ficaram feridos. De tarde explode mais uma bomba perto do mesmo bairro: morto um menino de 11 anos e muitos os feridos... Entre os combatentes, dezenas e dezenas de mortos e de feridos.

As bombas caídas perto dos campos de Mugunga provocaram a fuga de muitos habitantes: segundo a France Presse, seriam 30.000 os refugiados que deixaram os campos. Achamos que muitos destes virão em busca de refúgio no Centro Dom Bosco.

 

A ONG salesiana “Voluntariado Internacional para o Desenvolvimento” (VIS) iniciou oficialmente na segunda-feira, 17 de junho, em Meki, na Etiópia, mais precisamente nas vilas de Dodota e Denbel e Oromia Region, um projeto que visa o desenvolvimento rural integrado na região, começando pelo acesso à água potável. Nessa área, a cerca de 130 km ao sul de Adis-Abeba, capital da Etiópia, a maior parte das comunidades rurais sofre com a falta de água potável e se encontra em situação de grave insegurança alimentar.

 

O projeto está sendo realizado em colaboração com o Secretariado Católico de Meki, graças à contribuição conjunta das Onlus italianas “Água para a vida” e “Ampelos”. Trata-se de uma ação integrada, apta a melhorar as condições de saúde e vida para mais de 3000 pessoas, por meio da obtenção de diversos objetivos: o primeiro é garantir água potável às comunidades, furando um poço de 260 metros de profundidade, a meio caminho entre as duas vilas, providenciando a água diária para todas as pessoas; o outro objetivo é relativo à segurança alimentar, por meio do fornecimento de material técnico necessário ao cultivo dos campos agrícolas e à pesca no Lago de Ziway, além da organização da comunidade em grupos agrícolas e cooperativas de pescadores que serão oportunamente informados sobre técnicas de irrigação, pesca e marketing, para a venda de produtos.

 

Além desses dois objetivos, o projeto propõe-se a promover a sensibilização das comunidades envolvidas sobre normas de higiene de base e a estimular a conservação do território e dos recursos naturais existentes.

 

A intervenção prevê a participação ativa da população, com a formação de comissões, cooperativas e grupos que as dirigirão ciclicamente, ocupando-se por turno da gestão de cada uma das áreas de ação.

 

InfoANS

 

Durante o mês de julho, quatro professores de Educação Física da Rede Salesiana de Escolas (RSE) realizam uma ação missionária e educacional junto a crianças e adolescentes carentes no Haiti

 

Em 1º de julho o grupo embarca para o Haiti, um dos países mais pobres da América e que ainda sofre as consequências do violento terremoto que afetou a região em 2010. Os educadores participam do projeto “Professores Sem Fronteiras”, uma iniciativa da RSE para compartilhar as práticas esportivas e educacionais do Brasil com os alunos das escolas e obras sociais salesianas daquele país.

 

O objetivo é contribuir, por meio do esporte e com a alegria, que é característica da ação salesiana, no atendimento a crianças e adolescentes haitianos com idades entre 5 a 18 anos. “Este projeto, mais que uma ação social solidária, é uma doação de vida. Há um entusiasmo, um desejo de bem, uma força motivadora que contagia os professores diretamente envolvidos e a todos os que estão acompanhando e de alguma forma ajudando na sua realização”, afirma a coordenadora do projeto, irmã Adair Sberga, Filha de Maria Auxiliadora (Irmãs Salesianas) e diretora do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Ribeirão Preto, SP.

Organização do projeto

Ao longo do mês de julho, os alunos das escolas e obras sociais salesianas do Haiti participarão de atividades lúdicas como: gincanas, jogos pré-desportivos e oficinas. “Pretendemos trabalhar a iniciação esportiva de maneira global, com atividades que envolvam o lúdico, o afetivo, o cognitivo e o espiritual”, explica irmã Adair. O futebol e o voleibol, esportes que são referência no Brasil, também serão ensinados para as crianças e os adolescentes.

 

O cronograma e a escolha das modalidades esportivas foram elaborados com a colaboração dos próprios professores de Educação Física envolvidos no projeto e da irmã Valéria Timóteo, Filha de Maria Auxiliadora brasileira que está no Haiti há mais de dois anos.

 

Garantindo a qualidade das atividades que serão desenvolvidas, os professores e alunos contarão com o suporte de diversos artigos, como coletes, uniformes e bolas de tênis, futebol, futsal e vôlei, dentre outros. A compra de todo o material necessário foi possível graças à colaboração de várias escolas da RSE de São Paulo, que realizaram gincanas e campanhas de arrecadação de fundos, em um empenho coletivo para viabilizar o projeto.

 

Palavra dos professores

 

Para os professores que decidiram participar dessa missão, o projeto tem um significado muito mais amplo que ensinar práticas esportivas. Corjesus Costa, do Instituto Madre Mazzarello de São Paulo, viu no “Professores Sem Fronteiras” a oportunidade de reviver o sentido da doação ao próximo que vivenciou nas Semanas Missionárias, quando era aluno do Colégio Santa Inês, também na Capital paulista. A mesma motivação tem o educador Rogério Batista, professor do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora de São Paulo. Ele acredita que a participação no projeto pode proporcionar uma forma mais humana de educar e compreender as necessidades do próximo e de transformar a realidade vivida pelos jovens.

 

Para Guilherme Brondi, que há 18 anos trabalha no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Ribeirão Preto, participar desse projeto é uma forma de doar seus conhecimentos para o próximo e de conhecer a cultura de um país diferente. Mas a proposta motivou também educadores recém-chegados aos pátios salesianos, como Renato de Castro, que trabalha há quatro meses no Colégio Liceu Nossa Senhora Auxiliadora, em Campinas. Ele é o quarto integrante da equipe incumbida de promover um trabalho social, por meio da prática esportiva, que fique como legado na alma de cada jovem haitiano participante do projeto.

 

Assessoria de Imprensa Rede Salesiana de Escolas

 

Quarta, 19 Junho 2013 17:30

Dia Mundial do Refugiado é lembrado em Madri

Escrito por

 

Como parte do Dia Mundial do Refugiado celebrado nesta quinta-feira, 20 de junho, a Procuradoria Missionária de Madri divulgou um comunicado para acentuar o compromisso da Congregação Salesiana com essas pessoas. Há atualmente em todo o mundo cerca de 70 milhões de refugiados, mas o número vai crescendo, à medida que guerras, calamidades e discriminações obrigam os indivíduos a abandonar os próprios países.

 

O Dia Mundial do Refugiado convida a todos a não se esquecerem de que há no mundo milhões de refugiados; e refugiados que têm necessidade de proteção e de ajuda.

 

República Democrática do Congo


O Centro Don Bosco Ngangi, na República Democrática do Congo, é um dos lugares em que centenas de pessoas se refugiam toda vez que se reacendem os confrontos na região. Atualmente a comunidade salesiana está alerta, porque – como testemunham em Goma - “não obstante a trégua esteja sendo respeitada, nunca se sabe o que pode acontecer”.

 

Paquistão

 

Entre as várias atividades em curso no Paquistão, os filhos de Dom Bosco se ocupam em ajudar as crianças refugiadas provenientes do Afeganistão. Em Queta, os centros escolares salesianos estão trabalhando duramente a fim de que as crianças afegãs possam continuar o seu curso formativo.

Síria

A situação na Síria torna-se cada dia mais difícil, explica o padre Munir El Rai, inspetor dos Salesianos do Oriente Médio: “As tradicionais atividades tiveram de ser suspensas há meses para poder responder às exigências da população”. Desde o início do conflito na Síria, além disso, também os salesianos presentes no Líbano começaram a dedicar-se aos refugiados sírios, visto que atualmente são cerca de 500.000 os sírios fugidos para o Líbano, e – segundo os dados do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) – mais da metade deles é de crianças.

Mali

O conflito no Mali causou mais de 280.000 desabrigados, sem mencionar os cerca de 120.000 refugiados que buscaram guarida nos países vizinhos. No Mali, em Bamaco, os missionários salesianos se preocupam pelas famílias necessitadas. “Aqui são as mesmas famílias do lugar que se estão encarregando de ajudar as outras famílias provenientes do Norte” – referem os missionários salesianos.

 

A Assembleia Geral das Nações Unidas designou o dia 20 de junho como Dia Mundial do Refugiado, em sinal de solidariedade com a África, Continente que detém o maior contingente de refugiados do mundo.

 

InfoANS

Sexta, 14 Junho 2013 18:44

Salesianos comemoram 50 anos de presença no Taiwan

Escrito por

 

A Família Salesiana (FS) de Taiwan participou de uma série de comemorações, entre os dias 7 e 8 de junho, para celebrar os 50 anos de chegada dos primeiros salesianos a Taiwan, ilha situada no sudeste da China. As comemorações foram centradas em torno do único salesiano pioneiro sobrevivente, padre John Mas Yeong Ding, de 86 anos - que também foi o chefe da expedição dos cinco salesianos que iniciaram a primeira comunidade na ilha, na cidade de Tainan.

 

Ao longo dos dias 7 e 8 de junho as comemorações foram marcadas pela participação de membros da Família Salesiana (FS) de várias regiões: do norte (Taipei), do sul (Pingtung, Chaochow), e também de Hong Kong (os membros da comunidade de formação).

 

Nesses dias de celebrações os integrantes da Família Salesiana puderam conhecer um pouco sobre a história dos primeiros anos da presença salesiana em Taiwan e ouvir  um discurso proferido pelo cardeal Zen Ze-kiun, bispo Emérito de Hong Kong, China, sobre Dom Bosco e a sua missão carismática do ponto de vista do plano da salvação de Deus.

 

 Uma visita ao campo-santo (cemitério) também fez parte das celebrações, onde descansam alguns dos salesianos pioneiros, e apresentações de canto e dança realizada por jovens da escola salesiana de Taiwan.

 

Os festejos em comemoração aos 50 anos de presença salesiana em Taiwan começaram em janeiro e foram intensificadas neste mês por ocasião das festas do Sagrado Coração de Jesus e do Coração Imaculado de Maria. No próximo dia 7 de outubro, festa de Nossa Senhora do Rosário, será realizado o ato conclusivo das celebrações, na cidade dos meninos, de Chaochow, terceira presença salesiana na Ilha de Formosa.

 

InfoANS

 

O “Centro de Capacitação” salesiano de Cáli, na Colômbia, está empenhado em devolver a esperança a crianças e adolescentes que por anos viveram os horrores da guerra como soldados-mirins. Recentemente, a “National Public Radio” (NPR), dedicou um artigo à história desses jovenzinhos.

 

Luis e Jasmine, hoje com 20 anos, foram formados para serem válidos soldados-mirins; mas hoje no centro de Cáli recebem uma formação totalmente diferente, baseada no acompanhamento e na educação.

 

“Luis Bedoya tem rosto magro, com traços de criança – conta o cronista da NPR, Juan Forero –. E parece ainda uma criança quando enverga o enorme avental, as luvas espessas e o capacete metalizado – instrumentos de um aprendiz de soldagem no ‘Centro de Capacitação’, nesta cidade ao sul da Colômbia. (…) Jasmine empenha-se em cursos de culinária e pensa em estudos superiores – um dia, quem sabe, poderá montar um restaurante todo seu”.

 

Resgatados pelo exército, foram enviados ao Centro de Capacitação de Cáli, um dos centros estabelecidos para a recuperação dos ex-soldados-mirins. É um daqueles lugares em que cotidianamente se podem encontrar dezenas de crianças e adolescentes em um grande pátio, enquanto outros jogam pingue-pongue ou ouvem música. A maior parte dos ex-soldados frequenta um curso de formação profissional.

 

O ambiente é amplo, dotado de salas de aulas, de campos de basquete, de dormitório, de oficinas. Hoje é a casa de muitos meninos e meninas, como também de muitos jovens adultos, que desertaram os rebeldes das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) ou foram recuperados de outro modo.

 

São meninos e meninas que no passado foram recrutados pelos guerrilheiros, por vezes, até raptados, e obrigados a fazer “o trabalho sujo” da guerra, isto é, aquele mais perigoso. Muitos deles na vida só conheceram a guerra: muitos foram levados, adestrados na vida militar, privados da infância. Quem conseguiu escapar do pesadelo, dispunha realmente de  poucos lugares onde pedir ajuda.

 

As lutas na Colômbia já duram mais de 40 anos: são conflitos brutais entre vários grupos armados que lutam pelo poder e pelo controle do território. Todos os grupos cometeram abusos contra civis inocentes. Segundo o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), cerca de 5000 pessoas são mortas todos os anos, e a maior parte dentre a população civil. Desde 1985 mais de dois milhões de pessoas – isto é, quase um colombiano sobre 20 – foram obrigadas pela guerra a abandonar a própria terra e casa.

 

Atualmente governo e rebeldes estão realizando tratativas de paz, mas o recrutamento de crianças pelas FARC parece não se deter. Atualmente cerca de 500 crianças em todo o país estão inseridas nos programas de reabilitação, semelhantes àqueles desenvolvidos pelo Instituto Salesiano de Cáli; e se, como se espera, chegar a paz, o número de crianças necessitadas de tais programas será ainda muito maior.

 

“Rezemos para que chegue a paz” – diz o padre Mark Hyde, diretor da Procuradoria Missionária Salesiana, de Nova Rochelle, em Nova York, EUA, que sustenta, entre as numerosas obras, também o Centro de Cáli –. E quando a paz exigir mais programas semelhantes a esse, os salesianos ali estarão para ir ao encontro dessa imperiosa exigência”.

 

InfoANS

Atendendo ao pedido do governo eleitoapós a chamada Revolução Democrática, que reconheceu o alto valor das escolas e instituições sociais católicas, chegaram à Mongólia em 1992 três sacerdotes (Wenceslao Padilla, Gilbert e Robert) e cinco religiosos da Congregação do Imaculado Coração de Maria.

Em 2002,quando o Vaticano elevou a missão de Ulan Bator a prefeitura apostólica, os fiéis eram apenas 114. A comunidade católica tem crescido, “lenta mas constantemente”, e hoje os cerca de 800 católicos, em um total de 2,7 milhões de habitantes, têm quatro paróquias: três na capital e uma em Darkhan.

No iníciodo novo milênio, monsenhor Wenceslao Padilla chamou os salesianos para a Mongólia. Em 2000, seis salesianos partiram para a missão. Padre Andrew Nguyen Trung Tin, atual superior da Delegação da Mongólia, que era então diácono, explica: “Estávamos prontos para qualquer lugar do mundo. O superior nos confiou a missão de uma obra salesiana na Mongólia, então viemos”.

O salesiano irmão, Lothar Wagner, da obra salesiana “Dom Bosco Fambul”, enviou em 19 de abril o relatório anual do Centro de acolhida para meninas vítimas de violência, que há dois anos funciona na obra. Desde que foi aberto, os agentes do centro relacionaram 521 casos de meninas e jovens mulheres vitimadas pela violência, a partir da intervenção de crise e prosseguindo com o acompanhamento e apoio a longo prazo.

 

O centro de acolhida, aberto 24 horas, é gerido por agentes sociopastorais profissionais. No seu segundo relatório anual, irmão Lothar Wagner apresentou dados estarrecedores, pois consta que estão aumentando não só os casos de violência sobre as mulheres, mas também sobre crianças e meninas com menos de 14 anos.

 

“Algumas das jovens são mantidas como escravas pelos seus torturadores com frequência por anos” – disse Wagner aos jornalistas. Apresentando o perfil criminoso dos autores das violências, o salesiano ressaltou que com frequência se trata de professores, de chefes religiosos, assim como de desconhecidos mas ativos no tráfico de crianças e adolescentes.

 

Com dados em mão, o salesiano também criticou com veemência as autoridades investigadoras, porque parecem aceitar uma “cultura da impunidade”. E relatou o caso de uma menina de 13 anos que, após sofrer violência de grupo por parte de cinco rapazes, e ter sido submetida durante cinco dias a tratamentos intensivos, morreu. A polícia nunca indagou sobre o caso, apesar dos repetidos apelos apresentados pelo ‘Dom Bosco Fambul’.

 

Os processos de investigação de 37 episódios de violência, além disso, foram abertamente manipulados ou deliberadamente refreados pelas autoridades investigadoras. Os responsáveis foram soltos e desapareceram sem deixar traço, apesar das provas evidentes contra eles. Só uma pequena parte dos casos de violência chega até o tribunal para ser punida: apenas quatro dessas 37 vítimas de estupro estão procedendo em tribunal contra as manipulações das autoridades, a despeito de que um grande número dessas jovens tenha ficado gravemente traumatizada. “Obviamente, nós nos preocupamos também para que essas meninas não voltem a ser novamente vitimadas, e que o seu trauma não se repita” – explica Wagner.

 

O chefe do departamento da linha de crise para crianças e meninos do ‘Don Bosco Fambul’ apresentou estatísticas que confirmam plenamente a tese de Wagner. Segundo uma pesquisa sobre os temas “abuso sexual” e “estupro”, tais atos sofreram um aumento nos últimos anos: 745 meninas e 34 meninos afirmaram ter sofrido casos de violência sexual, e a maior parte deles não quer apresentar denúncia à polícia contra os responsáveis.

 

Nos próximos anos, prometeu Wagner, ‘Dom Bosco Fambul’ intensificará ainda mais os serviços do Centro de acolhida para meninas vítimas de violência e a sua ação de pressão sobre a opinião pública e as autoridades, a fim de que se conteste com veemência o problema.

 

InfoANS

A comunidade indígena Rouxinol, localizada no rio Caniço na Bacia do Tarumã-Açu recebeu, no dia 27 de abril, mais uma ação do projeto de preservação cultural organizado pela Faculdade Salesiana Dom Bosco (FSDB) de Manaus, AM, em parceria com o hotel de selva Amazon Ecopark e Fundação Floresta Viva.

 

O projeto é desenvolvido desde 2007 e envolve ações educativas voltadas para a preservação da língua nativa dos indígenas. O encontro contou com uma missa em tucano, celebrada pelos padres Justino Sarmento e Reginaldo Cordeiro; danças típicas e rituais indígenas; visita à Central de Artesanato e atividades lúdicas junto às crianças da comunidade.

 

Cerca de 60 acadêmicos e voluntários da Fundação Floresta Viva (FFV) estão envolvidos na ação. Para o diretor de ações comunitárias da FSDB, padre Cânio Grimaldi, o aprendizado neste tipo de atividade é constante. “Há muito a aprender com os indígenas, são tradições milenares, culturas, ritos e mitos que ensinam. Haverá sempre a troca de aprendizagem, pois o branco aprende com o índio e vice-versa”.

 

Por meio do projeto a FSDB fomenta emprego e renda para a comunidade, pois proporciona visitas e a compra de artesanatos produzidos pelos próprios indígenas. A parceria com o hotel de selva Amazon Ecopark garante o transporte dos acadêmicos e colaboradores que organizam a programação e as ações educativas. O diretor-presidente da Fundação Floresta, David Israel, destaca as ações desenvolvidas pelo projeto e os benefícios levados não apenas à comunidade, mas a todos envolvidos no projeto. “Os indígenas nos mostram como viver com alegria e em harmonia com a natureza. É gratificante fazer parte desta ação e eu só tenho a agradecer a oportunidade de aprender com esse povo. Nós sempre nos achamos superiores, mas devemos ser humildes, pois a bagagem cultural que os indígenas possuem é fascinante”, declarou o diretor.

 

Um pouco da história

 

A Faculdade Salesiana Dom Bosco tem tradição na formação indígena no alto Rio Negro. São mais de 90 anos na Amazônia preservando a língua, a cultura, os ritos e mitos das várias etnias existentes em São Gabriel da Cachoeira como Tucanos, Dessanas, Baniwas e Paricatas. Além das línguas nativas, há o predomínio da linguagem Tucana e do Nheengatu. Muitos indígenas migraram para Manaus criando algumas comunidades, sendo uma delas a Comunidade Rouxinol, local onde a FSDB e a FFV desenvolvem ações e atividades que demonstram a consciência da importância da preservação não somente da natureza, mas da cultura desses povos.

 

Assessoria de Comunicação da FSDB                  

Pagina 25 de 26