Sábado, 11 Agosto 2012 22:22

Missa: Liturgia Eucarística

Escrito por 
Classifique este artigo
(0 votos)
Missa: Liturgia Eucarística Foto: Douglas Mansur

 

A Eucaristia (missa) compreende duas partes fundamentais: a Liturgia da Palavra e a Liturgia Eucarística, da qual falaremos agora. Nela, três ritos se destacam: a apresentação das oferendas, a oração eucarística e o rito da comunhão.

 

Na última ceia, Jesus realizou quatro ações ao redor das quais se desenvolve hoje toda a Liturgia Eucarística: 1) tomou o pão e o vinho (preparação das oferendas); 2) deu graças (oração eucarística); 3) partiu o pão (fração do pão); 4) e deu aos seus discípulos (comunhão). É a partir dessas quatro ações que vamos falar da Liturgia Eucarística.

 

Tomou o pão... tomou o cálice com vinho...

É o rito da apresentação das oferendas. Nele, preparamos o altar para receber as oferendas de pão e vinho e bendizemos a Deus por elas como frutos da terra e do nosso trabalho, símbolos da natureza, da alegria, da convivência, do sofrimento, de um futuro melhor na partilha etc.

Não é ainda o ofertório, como impropriamente o chamamos. Estamos apenas apresentando os dons, que serão depois oferecidos ao Pai quando eles se tornarem o corpo e o sangue de Jesus, após a consagração.

Este é também um momento muito rico da comunidade, acompanhado com o canto, onde os dons são levados em procissão, juntamente com os objetos para a preparação da mesa do altar, com outros pães e alimentos típicos da região que serão abençoados e distribuídos no final na celebração.

Temos o costume de, nessa hora, recolher o dinheiro do dízimo e de outras ofertas para o sustento da comunidade ou para alguma campanha de solidariedade.

Os desafios colocados para que esse rito seja feito da forma mais correta: compor a procissão dos dons evitando exageros, alegorias; usar do pão sem fermento, em vez de hóstias; o canto das oferendas, que não é dos mais importantes da missa, pode ser omitido, com apenas um fundo musical ou o próprio silêncio; envolver a assembléia na bendição das oferendas.

 

Deu graças

A oração eucarística começa com o diálogo entre quem preside e a assembleia: “OSenhor esteja convosco...Corações ao alto...Demos graças ao Senhor...”.

Inicia-se então a grande ação de graças a Deus. Jesus, antes de partir o pão e distribuí-lo, deu graças. Hoje, na missa, acontece o mesmo: o que comemos e bebemos na comunhão são o pão e o cálice da bênção, o pão e o cálice da ação de graças. Primeiro agradecemos e depois comungamos!

Infelizmente, em nossas celebrações, há tempos entrou o costume errado de dar graças somente depois da comunhão. É preciso resgatar o que Jesus fez!

A oração eucarística que se segue tem toda uma estrutura histórica. Nela acontecem a invocação ao Espírito Santo sobre o pão e o vinho, a narração da última ceia, a proclamação memorial (Eis o mistério da fé...), a oblação (a oferta de Jesus ao Pai), a invocação do Espírito Santo sobre a comunidade para que formemos um só corpo, as intercessões pela Igreja e pelos falecidos, encerrando-se com a Doxologia (“grande louvor” por Cristo...) e o Amém final.

Corremos o risco de, durante essa grande oração, nos distrairmos na sequência das orações longas e teológicas. Estrategicamente, existem algumas intervenções intercaladas da assembleia, que ajudam a não perder a atenção e a sintonia orante desse momento. É vital essa ação de graças: a aliança proclamada na Liturgia da Palavra é agora assumida e “assinada” pela comunidade na oração eucarística , especialmente no “Amém” final.

Aqui também temos desafios: a perfeita compreensão do momento da ação de graças; a comunicação com a assembleia por parte de quem preside; o canto litúrgico do “Santo”; o “Amém” final vibrante, contagiante.

 

Partiu o pão

A fração do pão é um gesto que foi feito por Jesus na última ceia, como sabemos, e que na comunidade primitiva deu até o nome a toda a celebração eucarística (cf. Lc 24,35; At 2,46). Hoje realizamos o mesmo gesto, simples, mas muito significativo: nossa unidade em Cristo a partir do momento que participamos todos do mesmo pão partido e do mesmo cálice. Deve acompanhá-lo o canto do “Cordeiro”.

É preciso resgatar esse rito, que desapareceu com a “invasão” do abraço da paz cantado, demorado e tumultuado. Pode-se fazer o abraço da paz como um gesto simbólico apenas, valorizando a fração do pão e o canto.

 

Deu aos seus discípulos...

Agora se realiza a nossa ceia com o Senhor. Preparamo-nos para esse momento com o Pai-nosso, o “embolismo” (acréscimo ao Pai-nosso), a oração pela paz, seguida pela fração do pão (explicada acima). Comungar é muito mais do que só “receber Jesus na hóstia sagrada”: é assumir o projeto de Jesus como Igreja-comunidade, é continuar sua missão de construir uma sociedade mais justa e solidária, na qual os bens sejam repartidos entre todos.

O canto de comunhão, segundo antiga tradição, retoma um verso do Evangelho que foi proclamado na celebração. Ele liga a Liturgia da Palavra com a Liturgia Eucarística: comungamos lembrando e vivenciando o que ouvimos no Evangelho!

É normal que todos os que vêm à celebração eucarística tenham no seu interior o desejo de comungar, e com ele a disposição fundamental do arrependimento dos pecados e da vontade de comunhão com toda a comunidade. A comunhão eucarística é a expressão final da aliança que atravessa toda a celebração.

Os desafios são: a compreensão e a vivência do momento da “paz”; a comunhão para todos; cantar o Evangelho durante a comunhão; e, por fim, valorizar o silêncio após a comunhão.

Lido 16812 vezes Modificado em Segunda, 24 Novembro 2014 16:04
Padre Osmar Bezutte

Padre Osmar Augusto Bezutte

Diretor da Casa Beata Maria Romero de Rondonópolis, MT; assistente Regional das VDB (Região Brasil) e Conselheiro Espiritual Provincial (Província Centro Oeste) do Movimento das Equipes de Nossa Senhora no Brasil.

Deixe um comentário