Sábado, 18 Outubro 2014 00:11

O lugar de Maria na liturgia

Escrito por 
Classifique este artigo
(3 votos)

A devoção mariana é uma realidade no meio de nosso povo. É o reflexo do amor que o mundo católico e ortodoxo tem pela Mãe de Jesus, Mãe de Deus e Mãe nossa. Essa devoção é comprovada pelos seus inúmeros títulos e santuários pelo mundo afora, e a expressão desse amor à Mãe celeste está em celebrações, ritos e procissões.

Relato duas experiências desse amor do brasileiro pela nossa “mãezinha do céu”:

- O Círio de Nazaré. A aglomeração de dois milhões de pessoas na maior festa popular do Pará, em homenagem a Nossa Senhora, com tudo o que tem direito: reunião das famílias, envolvimento de autoridades civis, militares e religiosas, flores, guirlanda, corda, procissão, “promesseiros”, fé verdadeira, emoção, suor, lágrimas e sangue... Nó na garganta várias vezes ao concelebrar a eucaristia, ao participar da procissão, ao ver a corda chegando à praça com a turma cantando: “Mãe, estamos chegando...”.

- Aparecida. Nosso grupo do Curso de “Atualização em Liturgia” fez-se romeiro, com a metodologia da “observação participante”. Senti de perto o calor da devoção do romeiro em diversas entrevistas. Numa delas o casal dizia: “A gente vem sempre em janeiro. Para nós, não tem sentido começar o ano sem Maria”.

 

O que diz a Igreja

O Documento de Aparecida fala da piedade popular como lugar de encontro com Jesus Cristo (258 a 265) e, ao falar de Maria, diz que “nossos povos... encontram a ternura e o amor de Deus no rosto de Maria. Nela veem refletida a mensagem essencial do Evangelho”.

O Concilio Vaticano II¸ com o capítulo oitavo da Lumen Gentium, coloca com todas as letras quem é Maria na história da Salvação, seu papel de Mãe de Deus e da Igreja e sua mediação materna; com a Sacrosanctum Concilium (documento sobre a Liturgia), situando o Mistério Pascal como centro de toda a história da salvação, coloca as testemunhas deste mistério nas celebrações dos próprios mistérios de Cristo, especialmente a bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, em quem vê e exalta o mais excelso fruto da redenção (SC 103).

A exortação apostólica Marialis cultus (o culto de Maria), de Paulo VI, afirma que a reforma litúrgica “permitiu que (no calendário litúrgico) fosse inserida de maneira mais orgânica, e com uma ligação mais íntima, a memória da mãe no ciclo dos mistérios do Filho” (2).

 

O que diz a liturgia

Nas orientações da Igreja, “Maria está intimamente ligada ao mistério do Filho, e sua missão está unida à dele, desde o seu nascimento até à cruz e ressurreição. Por isso, desde o início a intuição da fé incluiu na memória da páscoa de Jesus a memória de sua mãe, valendo-se de sua intercessão e olhando Maria como a ‘cheia de graça’, símbolo do Israel fiel, a discípula grávida do Verbo, a primeira entre os discípulos e discípulas de Jesus, aquela que acreditou e que seguiu Jesus até o fim. A liturgia, assumindo o poder da oração de Maria, tão forte na devoção popular, reforça a sua condição de criatura em relação a Deus e de discípula em relação ao Cristo, evitando atribuir a Maria título ou função própria de Cristo” (Penha Carpanedo, in Liturgia em Mutirão, “O lugar de Maria na liturgia”, pg. 209, edições CNBB, 2007).

Vamos para um exemplo prático: no dia 12 de outubro, o calendário romano contempla a solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira principal do Brasil. Vejamos o que a liturgia propõe para a missa (eucaristia) do dia:

Antífona da Entrada:

“Com grande alegria rejubilo-me no Senhor; e minha alma exultará no meu Deus, pois me revestiu de justiça e salvação, como a noiva ornada de suas joias” (Is 61,10).

Salmo Responsorial (44):

Refrão: “Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: que o Rei se encante com vossa beleza!”

Aclamação ao Evangelho:

Verso após o Aleluia: “Disse a Mãe de Jesus aos serventes: ‘fazei tudo o que Ele disser!’”

Antífona da Comunhão:

“Seus filhos se erguem, para proclamá-la bem-aventurada. Ela se levanta antes da aurora para dar o alimento a cada um” (Pr 31, 28.15).

Vê-se claramente a ligação profunda de Maria com o mistério de Jesus e do próprio Deus.

Para ajudar-nos a celebrar bem esta missa, vamos conferir os cantos do CD Festas Litúrgicas III, Paulus, 2003. Aí se encontra a missa própria de Nossa Senhora Aparecida, dentro do espírito do canto litúrgico, com as letras que falam do mistério de Maria dentro do mistério de seu filho Jesus e do mistério da Igreja. São letras inspiradas na Bíblia, na própria liturgia e na vida do povo!

 

Agora, algumas perguntas:

- Qual a compreensão que sua comunidade (seu ministério de música, sua equipe de liturgia) tem sobre o lugar de Maria na obra da redenção?

- Como isso aparece nas celebrações marianas de sua comunidade?

- Você conhece os cantos de Festas Litúrgicas III, que contempla três grandes festas marianas: Assunção, Nossa Senhora Aparecida e Imaculada Conceição?

O desafio é grande, porque implica em sair do costumeiro, do lugar comum, do contentar-se com cantos marianos populares durante a celebração, sem levar em conta o que pede a liturgia e o que pede a Palavra de Deus! Mãos à obra! Ainda está em tempo!

Lido 12137 vezes
Padre Osmar Bezutte

Padre Osmar Augusto Bezutte

Diretor da Casa Beata Maria Romero de Rondonópolis, MT; assistente Regional das VDB (Região Brasil) e Conselheiro Espiritual Provincial (Província Centro Oeste) do Movimento das Equipes de Nossa Senhora no Brasil.

1 comentário

  • Ligação de comentário Alirio Franzoi Quinta, 11 Dezembro 2014 11:36 postado por Alirio Franzoi

    Acabei de conhecer o Boletim Salesiano, é obra de Deus por meio de Maria.
    Estou encarregado de equipe para organizar um livro de cantos litúrgicos para nossa comarca de Timbó-SC (Diocese de Blumenau). A proposta é de colocar os cantos na sequência da missa e para cada festa litúrgica oficial e mas as seções de cantos marianos, dos padroeiros e missas temáticas, tudo o mais liturgicamente correto possível. Outro meta é colocar no livro somente cantos que se tenha a música, pois queremos entregar para cada grupo de canto o arquivo em mp3 com todas as músicas dos cantos do livro. Na seção dos padroeiros das comunidades cheguei ao hino a São Francisco de Sales, consegui a letra e a partitura, não consegui a música. Sendo ele de vossa autoria pedimos a autorização de sua inclusão, bem como o envio da música, em qualquer formato. Poderá ser enviada pelo e-mail. Desde já muito obrigado.
    FELIZ NATAL, E NO ANO QUE VEM, PAZ E BEM!

Logar para postar comentários

Busque por data

« Novembro 2018 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    

Comentários