Quarta, 01 Agosto 2018 00:38

De educando a educador salesiano Destaque

Escrito por  Eduardo Azevedo, Julie Passos e Vitor Lopes
Classifique este artigo
(1 Voto)

A Obra Social Novo Lar, em Viamão, RS, conta em seu quadro de educadores com três ex-alunos participantes do Projeto Jovem Aprendiz. A seguir, eles contam sua experiência.

 

A pedagogia de Dom Bosco encanta a todos aqueles que a conhecem. Não foi diferente com os jovens Eduardo Azevedo, Julie Passos e Vitor Lopes. Eles foram educandos da Obra Social Novo Lar, em Viamão, RS, e, admirados com o universo salesiano, encontraram na Pedagogia de Dom Bosco uma oportunidade para aprender e transmitir conhecimentos.

 

Em 2010, o Novo Lar, em parceria com uma empresa local, iniciou no munícipio o Programa Jovem Aprendiz, que trouxe grandes avanços para os jovens da cidade. Na primeira turma do programa a aluna Julie Passos obteve muito destaque. Desta forma, Julie participou do projeto de aprendizagem, foi contratada pela empresa local e após quatro anos, em 2014, foi convidada pelos salesianos, padre Sebastião Camargo e padre Sérgio Ramos de Souza a retornar à Obra e ser educadora de Administração, do mesmo Programa Jovem Aprendiz.

 

“Na época fiquei surpresa com o convite, não esperava que após quatro anos seria lembrada para ocupar um cargo de tamanha responsabilidade: formar jovens para o mercado de trabalho”, destaca Julie.

 

Jovem educador

No ano de 2015, surgem no Novo Lar os educandos Eduardo Azevedo e Vitor Lopes. Ambos se inscreveram para participar do programa de aprendizagem, e na época nem sonhavam em ser educadores. Vitor se tornou o educador mais jovem da Obra: com apenas 16 anos foi convidado a ser o novo instrutor de Informática. Ele não tinha nem terminado o Ensino Médio e já era responsável pela educação dos jovens.

 

“Foi uma grande honra para mim aceitar esse desafio. O Novo Lar é feito de oportunidades para os jovens e eu fui agraciado com essa linda benção de Deus”, afirma ele. É importante destacar que muitos alunos tinham a mesma idade de Vitor: “Era divertido quando os nossos educandos não conseguiam me chamar de professor, devido à minha idade. Mas, ao mesmo tempo, uma grande responsabilidade tomava conta do meu dia-a-dia: educar e evangelizar”, ressalta Vitor.

 

Hoje, em 2018, Vitor se tornou educador de Informática do Programa Jovem Aprendiz, ao lado de Julie, que foi sua professora por apenas um dia. “Vitor participou apenas de uma das minhas aulas. Na época, os educandos iniciavam o curso de Informática e depois tinham aula de Administração. Vitor fechou cinco meses de curso e após a minha aula recebeu o convite para ser educador”, conta Julie.

 

“Ao mesmo tempo que ensino, também aprendo”

Já para Eduardo Azevedo, 21 anos, o processo foi diferente. Assim como os demais, Eduardo também foi educando do Programa Jovem Aprendiz, porém realizou as atividades práticas do programa no Novo Lar, ajudando os educadores na manutenção dos computadores e auxiliando o educador de Informática da época, em sala de aula. Após um ano de sua passagem pelo Novo Lar, Eduardo foi convidado pela equipe de gestão da Obra a se tornar educador do curso de Informática.

 

“Ser educador é um privilégio, ainda mais numa casa, como o Novo Lar, onde fui tão bem acolhido. Poder estar dentro da sala de aula e passar os meus conhecimentos aos alunos é algo indescritível. Ao mesmo tempo que ensino, também aprendo com eles. Ser lembrado para o cargo de educador foi maravilhoso! É sempre bom ver que todo teu trabalho e teu esforço foram reconhecidos. Voltar ao Novo Lar como educador de Informática com certeza é uma meta alcançada”, relata Eduardo.

 

Educar, amar e evangelizar

Para ser educador salesiano é preciso ter o coração aberto para educar, amar e evangelizar. Quando estamos em sala de aula, formando os jovens e crianças para o futuro, precisamos pensar que cada rosto ali presente pode continuar semeando o que estamos ensinando hoje.

 

“Para nós do Novo Lar é sempre motivo de muita alegria e orgulho poder contratar nossos antigos educandos, seja para qualquer função, pois é na prática a demonstração de que estamos cumprindo nosso papel de formar bons cristãos e honestos cidadãos. No entanto, nossa felicidade não ocorre somente quando nossa instituição contrata, mas também quando outras instituições contratam os jovens que passaram por nossas formações”, destaca Cléber Abreu, diretor executivo da Obra Social Novo Lar.

Lido 1232 vezes Modificado em Quarta, 01 Agosto 2018 00:49

Deixe um comentário