Quinta, 08 Março 2018 15:07

“As mulheres são sujeitos eclesiais”, afirma presidente do CNLB

Escrito por  Portal CNBB
Classifique este artigo
(0 votos)
“As mulheres são sujeitos eclesiais”, afirma presidente do CNLB Reprodução CNBB

Marilza Lopes Schuina é presidente pela segunda vez consecutiva do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), uma associação de fiéis leigos e leigas católicos de direito público, que congrega e representa o laicato brasileiro na sua diversidade e riqueza de movimentos, pastorais e associações dos mais variados tipos. O CNLB tem por objetivo articular o laicato, em conselhos regionais, diocesanos e locais. Ela também integra a equipe que está coordenando o processo do Ano do Laicato na Igreja no Brasil. Por ocasião do Dia Internacional da Mulher, a ser celebrado no próximo dia 8 de Março, ela falou ao portal da CNBB sobre a papel das mulheres na Igreja.

 

1 – Dia 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher. Como presidente do Conselho Nacional do Laicato do Brasil, qual a mensagem você gostaria de dirigir às mulheres que doam-se à Igreja em diferentes papéis e serviços?

 

Diante do cenário de discriminação e violência no qual vivem as mulheres, a fé e a pertença eclesial cristãs tem sido o caminho para a libertação e crescimento da mulher. À sua maneira, a mulher tem lutado pela igualdade e pelos direitos para todas as pessoas, sem qualquer tipo de distinção, discriminação e violação da vida, principalmente as mulheres das comunidades, das periferias, dos meios populares que têm a chance de criar e recriar o novo rumo à liberdade e à participação efetiva na Igreja e na sociedade.

 

Vê-se pelo Brasil afora, pela América Latina e Caribe o quanto as mulheres das Comunidades Eclesiais de Base, dos movimentos populares, das pastorais sociais, dos círculos bíblicos, dos clubes de mães experimentam o novo que vem de um jeito simples de estarem juntas, partilhando e compartilhando as angústias e as esperanças diante de uma interpretação da Palavra de Deus que as faz serem verdadeiramente sujeitos eclesiais. Assim a mulher busca alargar o espaço de participação, na busca de uma “experiência humana e religiosa que abre caminhos e novas passagens… como a construção do espaço público e o exercício da cidadania de uma nova maneira.”

 

São as mulheres que acendem a chama da fé e da esperança, acompanhando dia-a-dia Jesus missionário ao pé da cruz. Para o Papa Francisco, a esperança na América Latina tem um rosto feminino. “Não as reduzamos a servas do nosso clericalismo recalcitrante; mas sejam, ao invés, protagonistas na Igreja latino-americana: no seu cair com Jesus, no seu perseverar, mesmo no meio do sofrimento do seu povo; no seu agarrar-se à esperança que vence a morte; na sua maneira jubilosa de anunciar ao mundo que Cristo está vivo, ressuscitou”.

 

2 – Como avalia a presença das mulheres e sua importância na realização da missão da Igreja no Brasil?

 

As mulheres são sujeitos eclesiais, oferecem à Igreja e à sociedade uma contribuição indispensável. Elas atuam nas Comunidades, contribuem para o acompanhamento das pessoas, famílias, grupos; partilham responsabilidades pastorais, nos Movimentos, nos Serviços, nos Organismos. Sem a presença feminina, a Igreja não seria verdadeiramente Igreja. Nos Evangelhos, podemos encontrar Jesus que dá atenção especial às mulheres.

 

Na Igreja, essa presença da mulher precisa ser mais valorizada e reconhecida a sua comum dignidade, que é a mesma dignidade de todos os demais cristãos. Dignidade esta que provém do Batismo, pois em Cristo, somos todos e todas “sacerdotes, profetas e reis”.

 

Na exortação apostólica Evangelli Gaudium, o Papa Francisco diz: “As reivindicações dos legítimos direitos das mulheres, partindo da convicção de que homens e mulheres têm a mesma dignidade, colocam à Igreja questões profundas que a desafiam e não se podem decidir superficialmente…” – 104.

 

“É preciso ampliar os espaços para uma presença feminina mais incisiva na Igreja no âmbito do trabalho e nos vários lugares onde se tomam as decisões importantes, tanto na Igreja como nas estruturas sociais” – 103. Pra mudar, é só participar: “sem medo de ser mulher”.

Fonte: Portal da CNBB

Lido 554 vezes Modificado em Quinta, 08 Março 2018 15:12

Deixe um comentário