Quinta, 23 Novembro 2017 14:38

“Nosso papel é espalhar o carisma salesiano e articular cada vez mais a nossa juventude”

Escrito por  RSB Informa
Classifique este artigo
(0 votos)

Larissa Cristina da Silva Cunha, coordenadora do CNAJS, fala sobre as conquistas e desafios do amplo movimento de jovens que completou 20 anos em 2017, a Articulação da Juventude Salesiana.

 

Uma rede cada vez maior de jovens que se identificam com a espiritualidade salesiana e querem vivê-la plenamente. Eis a proposta da Articulação da Juventude Salesiana (AJS), que neste ano completou 20 anos de fundação.

 

Segundo os princípios norteadores desse movimento, “a AJS não é uma associação, mas é constituída por jovens que pertencem a várias associações ou grupos animados pela Pastoral Juvenil Salesiana. Não sendo uma associação, abre as portas a todos, pois o seu serviço é voltado à Igreja e a todos os jovens”.

 

Para falar sobre o momento da AJS, a sua bonita trajetória, seus princípios, conquistas e perspectivas, o RSB Informa entrevistou Larissa Cristina da Silva Cunha, coordenadora do Conselho Nacional da AJS (CNAJS). Aos 21 anos, a jovem é estudante de Psicologia e trabalha na Equipe de Pastoral do Ginásio Anchieta, colégio salesiano de Silvânia, GO.

 

RSB Informa: Conte um pouco sobre sua relação com a AJS. Como você descobriu e começou a se interessar pela Articulação da Juventude Salesiana?

Larissa: Eu sempre digo que minha vida na Espiritualidade Salesiana teve um início nada convencional, e que a passagem da ovelha arredia me define. Quando uma ovelha é muito rebelde, foge e se perde com frequência do grupo, o pastor toma uma atitude drástica, ele quebra a perna da ovelha. E eu tive a perna quebrada em um acidente, aos 14 anos, voltando do meu primeiro encontro da Pastoral Juvenil Salesiana, mas me senti tão bem cuidada e assistida pelos salesianos que me interessei cada vez mais por essa pedagogia da presença, pela história que ouvia de Dom Bosco, esse homem que dedicou inteiramente a sua vida em favor dos jovens.

Então comecei a fazer parte de todas as atividades do colégio. Logo mais, me envolvi nos grupos da paróquia, que também é salesiana, comecei a participar de encontros/formações da inspetoria e pronto, logo estava no Conselho Nacional.

 

RSB Informa: O que um grupo de jovens precisa ter para pertencer à AJS?

Larissa: A condição básica é se identificar com a Espiritualidade Juvenil Salesiana e, embora a nossa fé professada seja Cristã Católica, a AJS é aberta a jovens de outras religiões.

 

RSB Informa: Qual a origem e o propósito do CNAJS? Que atividades vocês desempenham?

Larissa: A juventude salesiana estava cada vez mais articulada, já havia realizado três encontros nacionais e a JMJ Rio 2013 se aproximava, então, em 2012 notou-se a necessidade de uma maior organização nacional. Foi indicado um (uma) jovem de cada inspetoria salesiana para compor o CNAJS. “Este teve grande atuação no I Encontro Continental das Américas do Movimento Juvenil Salesiano (MJS), acontecido no Brasil, em julho de 2013, assim como no Fórum Mundial e na Festa do MJS, todos durante a JMJ 2013, no Rio de Janeiro” (3ª PN).

Hoje o ideal é que o jovem representante das inspetorias seja escolhido pelos demais jovens, isso, porém, só é possível se existir uma boa articulação, o que já acontece em várias inspetorias, mas outras ainda indicam seus jovens, por estarem em processo de conscientização sobre a AJS.

O papel do CNAJS é de animar as inspetorias, fazer com que a AJS tenha uma caminhada bonita e uma direção, respeitando, claro, as particularidades de cada região deste nosso Brasil.  Espalhar o nosso carisma e articular cada vez mais a nossa juventude.

 

RSB Informa: Sobre a coordenação do CNAJS, como você recebeu essa missão e como tem sido a experiência?

Larissa: Eu recebi a missão da coordenação em 2016, em nossa reunião ordinária que aconteceu em Belo Horizonte, através da eleição dos conselheiros. Quando se recebe uma responsabilidade desta grandiosidade, o medo vem na mesma proporção, eu tinha 19 anos, me considerava nova no quesito experiência, mas sempre acreditei que Deus capacita os escolhidos, e acho que ele fez isso comigo! A minha coordenação iniciou juntamente com a preparação para o IV Congresso Nacional, então vocês podem imaginar o quão desafiador foi e o quanto eu amadureci neste processo. É uma experiência enriquecedora, somos um conselho, crescemos e aprendemos juntos.

 

RSB Informa: Este foi um ano muito especial para a Articulação da Juventude Salesiana, com a realização do Congresso em Brasília em comemoração aos 20 anos do movimento. Como você avalia essa caminhada e o que foi construído até aqui?

Larissa: Sem dúvidas, um ano muito importante e especial. A AJS no Brasil tem uma caminhada muito bonita e que vem crescendo cada vez mais, o protagonismo juvenil é destaque em nossas inspetorias. O próprio Congresso foi prova disso: mesmo com cada conselheiro em um canto do Brasil, realizamos uma festa bonita e significativa, realizada pelos jovens e para os jovens. Podemos sempre melhorar, mas foi um passo grandioso.

Hoje já existem diversos conselhos locais, estaduais/regionais e inspetoriais, conselhos estes que são um projeto bonito que vem sendo realizado. E acredito que a consciência do que é a AJS, como ela funciona, como os jovens se articulam e trabalham para sua autossustentabilidade é algo construído de muita importância.

 

RSB Informa: Quais são os desafios e as expectativas para os próximos anos?

Larissa: Nosso desafio/meta é que todas as inspetorias consigam ter a AJS bem articulada/organizada, que os jovens sejam os verdadeiros protagonistas. É uma animação constante, precisamos estar sempre sintonizados com o mundo, com a Igreja. Temos uma meta/expectativa para a JMJ do Panamá que é  mobilizar toda a AJS do Brasil e formar um grupão, para que todos possam ir juntos e participar do encontro mundial.

 

RSB Informa: Vemos frequentemente os esforços do Papa e líderes religiosos para se aproximarem dos jovens, ouvir o que têm a dizer, com a realização inclusive do Sínodo dos Bispos, em 2018, norteado pelo tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. O que, para você, pode favorecer a participação da juventude nos vários “lugares” da Igreja?

Larissa: Acredito que é fundamental a atitude de ouvir os jovens, como é o caso do sínodo, que lançou um questionário para que a juventude tenha participação ativa. Muitas vezes nos é oferecido algo pronto, o que não é favorecer participação. Então, inserir o jovem, convidar o jovem para participar das decisões, dos planejamentos e promoções de atividades juvenis, das pastorais, é fundamental para sua participação. É proporcionar comunhão.

 

RSB Informa: Deixe um convite para o jovem ou a jovem que gostaria de conhecer melhor os grupos da AJS. O que ele/ela encontrará? Como pode participar?

Larissa: Venha fazer parte deste movimento que é transformador, que certamente lhe fará enxergar a vida de uma maneira diferente, que lhe aproximará de Jesus Cristo. Vocês podem conhecer um pouco mais nas redes sociais, como Instagram e Facebook (podem mandar uma mensagem por lá), ou procurando uma irmã salesiana, um padre salesiano ou algum jovem que já faça parte. Eles vão te acolher com muita alegria e carinho.

Fonte: RSB Informa

Lido 242 vezes

Deixe um comentário