Terça, 04 Julho 2017 18:18

Ex-aluna se destaca no Boi-bumbá Caprichoso, campeão do Festival de Parintins 2017

Escrito por  Anderson Nogueira de Araújo com informações Site Boi Caprichoso
Classifique este artigo
(0 votos)

Toda a Comunidade Educativa do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Manaus, AM, parabeniza a ex-aluna Valentina Cid, sinhazinha da fazenda do Boi-bumbá Caprichoso, campeão do Festival de Parintins 2017.

 

O Boi-Bumbá Caprichoso volta ao passado para encontrar o presente e projetar o seu futuro. Nas veias de Valentina Cid, corre o sangue azulado da família que deu origem ao Boi de Parintins. A menina, que ensaiou seus primeiros passos na Escola de Arte do Boi Caprichoso, é bisneta de Ednelza Cid, costureira, que durante muitos anos doou seu tempo e grande parte de sua vida ao Touro Negro de veludo confeccionando os mais belos vestidos de sinhazinha e rainhas do boi.

 

Filha da eterna Sinhazinha, Karina Cid, o Boi Caprichoso se orgulha de manter o sangue, a tradição e a história viva da brincadeira secular ao anunciar Valentina Cid como a protetora do Boi Caprichoso, a nova Sinhazinha da Fazenda. Aos 17 anos de idade, a menina cresceu na Escola de Arte, passou pelas oficinas de dança, flauta e foi aluna até no curso de modelo que mãe Karina ministrava na Fundação Boi Caprichoso.

 

Estudante da terceira série do Ensino Médio em 2016, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, da Rede Salesiana Brasil de Escolas, Valentina teve a oportunidade de representar a singeleza do mesmo item que sua mãe defendeu. A dona da fazenda do Boi Caprichoso é descendente do primeiro dono e fundador do Caprichoso, Roque Cid.

 

“Hoje o meu boi, meu brinquedo de criança me recebe como item”, diz a bela Sinhá. A nova Sinhazinha da Fazenda sempre sonhou ser item do Caprichoso e é mais um dos importantes frutos da Escola de Arte. “Minha vontade de ser item nasceu na Escola de Arte, na oficina de dança, fui Rainha do Folclore do Boi Caprichoso Mirim e hoje estou apaixonada em ser Sinhazinha da Fazenda do Caprichoso”, afirmou. Como toda a guerreira parintinense, sempre almejou estar no quadro de artistas do Boi Caprichoso. Hoje, a história abraça a Nação Azul e Branca, ao reconhecer uma das descendentes dos fundadores do Caprichoso como a defensora do item número 7.

Lido 414 vezes

Deixe um comentário