Quinta, 11 Outubro 2018 14:59

Paulo VI, o Papa que amava os salesianos

Escrito por  Pe. Gianni Caputa, SDB
Classifique este artigo
(0 votos)

No domingo, 14 de outubro, Giovanni Battista Montini, que em 21 de junho de 1963 se tornou Papa Paulo VI, será canonizado (declarado santo). Para o cardeal Ottaviani, que deu o anúncio da eleição, foi só pronunciar o nome de batismo: "Joannem Baptistam ..." que todos começaram a aplaudir.

 

Ao longo de toda sua vida, Paulo VI sempre demonstrou uma forte afeição pela Família Salesiana. O padre Giorgio tinha uma grande devoção a Dom Bosco e mantinha, ao lado de sua escrivaninha, a imagem de Dom Bosco com as palavras: "Na morte reunimos o fruto das boas obras". "É um ditado de Dom Bosco que ficou textualmente impresso no meu coração", disse o Papa à audiência do Capítulo Salesiano de 26 de janeiro de 1978.

 

A associação com os salesianos foi assídua desde sua juventude: foi um salesiano, padre Antonio Cojazzi, que fez amadurecer a vocação, salesiana e missionária, de um primo do futuro Papa. Durante seu breve serviço (junho a outubro de 1923) na Nunciatura de Varsóvia, padre Montini admirou o trabalho dos salesianos naquela terra, foi para Oswiecim para a inauguração de uma escola salesiana e em Cracóvia ficou hospedado pelos salesianos na futura paróquia de Karol Wojtyla. Em Roma, manteve contatos cordiais com os salesianos na Santa Sé e com algumas comunidades dos Castelos Romanos. Compartilhou também a alegria pela beatificação (1929) e canonização de Dom Bosco (1934).

 

Em seu serviço na Secretaria de Estado do Vaticano, ele apoiou diretamente a ação da Família Salesiana romana com os menores necessitados, particularmente através do "Borgo Ragazzi Don Bosco". Como arcebispo de Milão, ele teve a mesma predileção pelos jovens da obra "Sant'Agostino" e pelas Filhas de Maria Auxiliadora ali presentes. Mais tarde, confiou o reformatório juvenil em Arese aos filhos de Dom Bosco: foi uma tarefa difícil, mas confiava em suas capacidades para recuperar aqueles jovens em risco.

 

Como Papa, pôde medir as dimensões globais do trabalho salesiano, averiguar a relevância do método salesiano para as necessidades dos jovens e cultivar as relações familiares com os salesianos atuantes na cúria.

 

Em 1978, dirigiu-se aos salesianos do XXI Capítulo Geral: "Sede abençoados ... Encham-se das graças que o Senhor nos faz desejar para vós ... Sede verdadeiramente Salesianos! [Entre os muitos encontros, cá entre nós] nos comove de maneira especial e nos dá a alegria e a esperança de que a Igreja hoje seja verdadeiramente a de Dom Bosco, a Igreja viva".

Fonte: ANS

Lido 267 vezes

Deixe um comentário