Sexta, 13 Julho 2018 15:09

Unidos no mistério do Cordeiro de Deus, compromissados com a Igreja e a causa indígena Destaque

Escrito por  ANS
Classifique este artigo
(0 votos)

No próximo domingo, 15 de julho de 2018, será celebrado o 42º aniversário do martírio dos Servos de Deus Pe. Rodolfo Lunkenbein, SDB, e Simão Bororo. Sobre essa data escreveu o padre Gildásio Mendes, superior da Inspetoria Brasil – Campo Grande (BCG): “Neste ano, essa data ganha uma importância eclesial e salesiana especial, pois o Processo Diocesano de Beatificação e Canonização em andamento desses dois Servos de Deus expressa-nos, de modo significativo, o dom do Espírito Santo em um momento marcante para nossa Inspetoria e nossa Igreja”.

 

Na base da Congregação, recorda o inspetor, está a santidade, aquela santidade que o VII sucessor de Dom Bosco, padre Egídio Viganò, bem descreveu dizendo que “não é senão a própria vida de Deus inserida intimamente na nossa existência”. Assim iluminadas é que devem ser observadas as figuras do padre Lunkenbein e de Simão Bororo, e o testemunho deles, neste ano mais atual do que nunca.

 

Primeiro, pelo 125º aniversário do início da presença missionária salesiana em Mato Grosso, cujas celebrações iniciaram no último dia 18 de junho e serão encerradas em janeiro de 2019: cada objetivo desse tipo pressupõe sempre uma precedente contribuição de santidade.

 

Depois, porque está no itinerário de preparação ao Sínodo especial para a região Pan-amazônica desejado pelo Papa Francisco, que se concretizará em outubro do próximo ano. Um sínodo que tem como objetivo “identificar novos caminhos para a evangelização do povo Deus nas áreas da grande Amazônia, especialmente dos indígenas”.

 

A figura do catequista indígena Simão também é um exemplo válido em relação com o Ano do Laicato promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), uma vez que representa um modelo de cristão “que assumiu sua vocação com radicalidade evangélica, fazendo a experiência da inculturação do Evangelho na sua vida, testemunhando sua fé em Jesus Cristo e compartilhando com o seu povo e os missionários a alegria do Evangelho”.

 

E, por fim, o modelo destes dois mártires é ainda um ponto concreto para o tema-guia do próximo Capítulo Geral 28: “Quais salesianos para os jovens de hoje?”.

 

“A santidade para o padre Rodolfo e Simão é uma resposta simples e autêntica de vivência das Bem-Aventuranças”, continua o padre Gildásio Mendes em sua carta. “Eles foram testemunhas de uma fé vivida no Ressuscitado no serviço de cada dia, no contato fraterno com as pessoas, no trabalho, na pregação da Palavra e da Catequese, na oração ordinária, no amor a Nossa Senhora, na alegria e no compromisso evangélico com a causa indígena. Ao celebrar os 42 anos do martírio do padre Rodolfo e Simão Bororo, temos muitos motivos para agradecer a Deus pelo dom da santidade na Igreja e na Congregação Salesiana”, finaliza.

 

O texto completo da carta em português está disponível AQUI.

Lido 173 vezes

Deixe um comentário