Missões: Com os boe-bororo e os xavante em Mato Grosso

Thursday, 22 October 2020 14:48 Written by  Redação Boletim Salesiano com informações MSMT
Missões: Com os boe-bororo e os xavante em Mato Grosso Padre Andelson Dias de Oliveira, SDB, diretor da missão salesiana em São Marcos e Meruri Arquivo MSMT
A missão salesiana entre os povos indígenas teve início em Mato Grosso e permanece hoje como sinal de solidariedade e compromisso com os Boe-Bororo e os Xavante da região.  

 

O início da missão salesiana junto aos povos indígenas não se deu no Amazonas, mas sim na região de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Em 18 de junho de 1894, os primeiros salesianos na região tomaram posse da paróquia de São Gonçalo do Porto, em Cuiabá. Já no ano seguinte, iniciaram o trabalho junto aos boe-bororo na Colônia Teresa Cristina, ação que foi interrompida no final do século XIX e reiniciada em 1902, com a abertura da Colônia Sagrado Coração, atualmente em Merúri, município de Barra do Garças, MT. Foi em Merúri que morreram, em 1976, os mártires padre Rodolfo Lunkenbein, então diretor da casa, e Simão Bororo, assassinados por defenderem a demarcação das terras indígenas.

 

Depois veio o trabalho missionário com os xavante, nas colônias Sangradouro, em Primavera do Leste, MT, fundada em 1906, e São Marcos, em Barra do Garças, iniciada em 1958. E há também a Paróquia Pessoal São Domingos Sávio, em Nova Xavantina, MT. A missão junto aos povos indígenas é realizada, desde os primeiros anos, em colaboração com as Filhas de Maria Auxiliadora, que atualmente residem em São Marcos e realizam a itinerância em todas as presenças missionárias.

 

“As nossas missões indígenas foram banhadas pelo sangue e pelo suor de tantos irmãos e irmãs que passaram por aqui ao longo dos anos. Mato Grosso foi construído com o trabalho educativo missionário dos salesianos e das salesianas, um trabalho corajoso que permanece até os dias de hoje”, ressalta o padre Andelson Dias de Oliveira, SDB, diretor da missão salesiana em São Marcos e Meruri.

 

Ao citar exemplos dessa ação missionária, padre Andelson relembra o padre José Thannhuber, primeiro missionário salesiano martirizado nas terras de Mato Grosso há cem anos; o trabalho do padre Bartolomeo Giaccaria, que completou 80 anos no último 11 de setembro e dedicou sua vida especialmente ao cuidado com a saúde dos indígenas xavante; padre Gonzalo Ochoa e seu exemplo missionário entre os bororo; padre Georg Lachnitt, falecido em 20 de abril e que, entre diversos livros e estudos sobre a cultura indígena, é o autor da primeira tradução do Missal Romano para a língua xavante; e a missionária leiga Josina Maria Ludumila Silva, voluntária em São Marcos, que faleceu em 5 de julho, aos 79 anos, vítima da Covid-19.

 

Desafios na defesa dos direitos

A pandemia do novo coronavírus atingiu muito fortemente a região das missões salesianas, e os indígenas xavante, além da doença, das mortes e da falta de recursos, tiveram de enfrentar o preconceito. “Foi preciso acionar o Ministério Público para garantir o atendimento médico. Não bastassem todas as dificuldades, os xavante foram acusados de propagadores da doença”, conta padre Andelson. Como em tantos outros momentos desafiadores, os indígenas puderam contar com o apoio de salesianos e salesianas, que permaneceram com eles.

 

“Cabe um elogio aos missionários e missionárias pois, sabendo da gravidade da pandemia, os irmãos poderiam ter saído das aldeias. Mas, como na época em que Dom Bosco enfrentou a pandemia do cólera na Itália, decidiram ficar. Esse foi um testemunho muito bonito de amor e dedicação aos povos indígenas. E a pandemia foi um tempo de muita misericórdia de Deus, pois foram muitas pessoas que enviaram alimentos, remédios, cobertores e todo auxílio aos povos indígenas e à missão salesiana”, completa padre Andelson.

 

Para ele, o papel principal da presença salesiana entre os povos indígenas atualmente é a defesa dos seus direitos. “Onde os missionários estão, aqueles que oprimem, que querem destruir a cultura indígena, que querem invadir as terras, eles ficam um pouco aquém, respeitam um pouco mais. Não vou dizer que os indígenas deixem de sofrer preconceito, mas inibe um pouco. Hoje a presença dos missionários significa a defesa dos povos indígenas. Como, na verdade, ocorre desde 1500...”, reflete.

 

Nas missões de Mato Grosso, os salesianos são responsáveis pelas celebrações de missas, catequese, visitas e itinerâncias, além da formação dos agentes de pastoral indígenas. Até a década de 1990, cuidavam diretamente da saúde, o que agora é feito de modo indireto, com ações de prevenção, compra de medicamentos e viabilizando a vinda de voluntários. Na educação, também no passado salesianos e salesianas dirigiam as escolas, que agora estão totalmente sob a responsabilidade dos indígenas. Mas os missionários auxiliam na formação dos professores e na acolhida de pesquisadores e estudantes universitários. É feito ainda um importante suporte na área da agroecologia, ajudando as aldeias na subsistência.

 

Atenção às mulheres indígenas

Todo o trabalho é realizado em parceria com as irmãs salesianas. “É um trabalho compartilhado, de muito diálogo, que vai se complementando. Esse é um aprendizado importante que as missões em Mato Grosso trazem, de uma ação em harmonia com os irmãos”, ressalta a irmã Maria Imelda Velasco Estrada, FMA, que veio do México e há dois anos está na comunidade de São Marcos. As irmãs FMA têm a sede junto com os salesianos em São Marcos, e desenvolvem suas atividades em itinerância, passando um tempo em cada uma das presenças missionárias.

 

Além do apoio nas celebrações, catequese e cursos de agentes de pastoral, um dos focos das FMA é o trabalho com as mulheres indígenas, oferecendo assistência na agricultura e artesanato, realizando cursos e oficinas e desenvolvendo a autoestima das jovens. “Ajudamos a se desenvolverem com os recursos que têm”, explica irmã Maria Imelda. “Cada povo tem a sua cultura. Os boe-bororo são matriarcais, e hoje a nossa presença essencial nas missões é o testemunho coerente de vida, como mulheres realizadas e felizes, que apoiam as indígenas no trabalho da terra, no cuidado dos filhos, para que elas se desenvolvam como mulheres dignas. Já na cultura xavante os homens têm suas próprias reuniões, as mulheres ficam separadas. Então elas vêm sempre nos buscar para um conselho, uma palavra... a nossa presença salesiana se complementa ali, valorizando essas mulheres, a riqueza do artesanato, dos enfeites que elas fazem, das pinturas, o cuidado com as crianças”, detalha a salesiana.

 

O principal desafio, segundo ela, é dar continuidade aos projetos realizados, para que eles se tornem sustentáveis a longo prazo com o protagonismo das lideranças indígenas. Irmã Imelda destaca ainda a importância de trabalhar a autoestima das mulheres indígenas, especialmente as jovens. Ela ressalta, entretanto, que são desafios a serem enfrentados, e não empecilhos à missão. Sobre o que aprendeu como missionária, ela destaca a cultura, as danças e a arte, mas coloca como ponto principal a convivência: “Aprendemos na missão a viver com o essencial, que não precisamos de tantas coisas materiais para sermos felizes. E podemos conviver respeitando uns aos outros”.

 

Leia também

História: Dom Bosco e as Missões

Dia Mundial das Missões

Salesianos na Amazônia

 

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Missões: Com os boe-bororo e os xavante em Mato Grosso

Thursday, 22 October 2020 14:48 Written by  Redação Boletim Salesiano com informações MSMT
Missões: Com os boe-bororo e os xavante em Mato Grosso Padre Andelson Dias de Oliveira, SDB, diretor da missão salesiana em São Marcos e Meruri Arquivo MSMT
A missão salesiana entre os povos indígenas teve início em Mato Grosso e permanece hoje como sinal de solidariedade e compromisso com os Boe-Bororo e os Xavante da região.  

 

O início da missão salesiana junto aos povos indígenas não se deu no Amazonas, mas sim na região de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Em 18 de junho de 1894, os primeiros salesianos na região tomaram posse da paróquia de São Gonçalo do Porto, em Cuiabá. Já no ano seguinte, iniciaram o trabalho junto aos boe-bororo na Colônia Teresa Cristina, ação que foi interrompida no final do século XIX e reiniciada em 1902, com a abertura da Colônia Sagrado Coração, atualmente em Merúri, município de Barra do Garças, MT. Foi em Merúri que morreram, em 1976, os mártires padre Rodolfo Lunkenbein, então diretor da casa, e Simão Bororo, assassinados por defenderem a demarcação das terras indígenas.

 

Depois veio o trabalho missionário com os xavante, nas colônias Sangradouro, em Primavera do Leste, MT, fundada em 1906, e São Marcos, em Barra do Garças, iniciada em 1958. E há também a Paróquia Pessoal São Domingos Sávio, em Nova Xavantina, MT. A missão junto aos povos indígenas é realizada, desde os primeiros anos, em colaboração com as Filhas de Maria Auxiliadora, que atualmente residem em São Marcos e realizam a itinerância em todas as presenças missionárias.

 

“As nossas missões indígenas foram banhadas pelo sangue e pelo suor de tantos irmãos e irmãs que passaram por aqui ao longo dos anos. Mato Grosso foi construído com o trabalho educativo missionário dos salesianos e das salesianas, um trabalho corajoso que permanece até os dias de hoje”, ressalta o padre Andelson Dias de Oliveira, SDB, diretor da missão salesiana em São Marcos e Meruri.

 

Ao citar exemplos dessa ação missionária, padre Andelson relembra o padre José Thannhuber, primeiro missionário salesiano martirizado nas terras de Mato Grosso há cem anos; o trabalho do padre Bartolomeo Giaccaria, que completou 80 anos no último 11 de setembro e dedicou sua vida especialmente ao cuidado com a saúde dos indígenas xavante; padre Gonzalo Ochoa e seu exemplo missionário entre os bororo; padre Georg Lachnitt, falecido em 20 de abril e que, entre diversos livros e estudos sobre a cultura indígena, é o autor da primeira tradução do Missal Romano para a língua xavante; e a missionária leiga Josina Maria Ludumila Silva, voluntária em São Marcos, que faleceu em 5 de julho, aos 79 anos, vítima da Covid-19.

 

Desafios na defesa dos direitos

A pandemia do novo coronavírus atingiu muito fortemente a região das missões salesianas, e os indígenas xavante, além da doença, das mortes e da falta de recursos, tiveram de enfrentar o preconceito. “Foi preciso acionar o Ministério Público para garantir o atendimento médico. Não bastassem todas as dificuldades, os xavante foram acusados de propagadores da doença”, conta padre Andelson. Como em tantos outros momentos desafiadores, os indígenas puderam contar com o apoio de salesianos e salesianas, que permaneceram com eles.

 

“Cabe um elogio aos missionários e missionárias pois, sabendo da gravidade da pandemia, os irmãos poderiam ter saído das aldeias. Mas, como na época em que Dom Bosco enfrentou a pandemia do cólera na Itália, decidiram ficar. Esse foi um testemunho muito bonito de amor e dedicação aos povos indígenas. E a pandemia foi um tempo de muita misericórdia de Deus, pois foram muitas pessoas que enviaram alimentos, remédios, cobertores e todo auxílio aos povos indígenas e à missão salesiana”, completa padre Andelson.

 

Para ele, o papel principal da presença salesiana entre os povos indígenas atualmente é a defesa dos seus direitos. “Onde os missionários estão, aqueles que oprimem, que querem destruir a cultura indígena, que querem invadir as terras, eles ficam um pouco aquém, respeitam um pouco mais. Não vou dizer que os indígenas deixem de sofrer preconceito, mas inibe um pouco. Hoje a presença dos missionários significa a defesa dos povos indígenas. Como, na verdade, ocorre desde 1500...”, reflete.

 

Nas missões de Mato Grosso, os salesianos são responsáveis pelas celebrações de missas, catequese, visitas e itinerâncias, além da formação dos agentes de pastoral indígenas. Até a década de 1990, cuidavam diretamente da saúde, o que agora é feito de modo indireto, com ações de prevenção, compra de medicamentos e viabilizando a vinda de voluntários. Na educação, também no passado salesianos e salesianas dirigiam as escolas, que agora estão totalmente sob a responsabilidade dos indígenas. Mas os missionários auxiliam na formação dos professores e na acolhida de pesquisadores e estudantes universitários. É feito ainda um importante suporte na área da agroecologia, ajudando as aldeias na subsistência.

 

Atenção às mulheres indígenas

Todo o trabalho é realizado em parceria com as irmãs salesianas. “É um trabalho compartilhado, de muito diálogo, que vai se complementando. Esse é um aprendizado importante que as missões em Mato Grosso trazem, de uma ação em harmonia com os irmãos”, ressalta a irmã Maria Imelda Velasco Estrada, FMA, que veio do México e há dois anos está na comunidade de São Marcos. As irmãs FMA têm a sede junto com os salesianos em São Marcos, e desenvolvem suas atividades em itinerância, passando um tempo em cada uma das presenças missionárias.

 

Além do apoio nas celebrações, catequese e cursos de agentes de pastoral, um dos focos das FMA é o trabalho com as mulheres indígenas, oferecendo assistência na agricultura e artesanato, realizando cursos e oficinas e desenvolvendo a autoestima das jovens. “Ajudamos a se desenvolverem com os recursos que têm”, explica irmã Maria Imelda. “Cada povo tem a sua cultura. Os boe-bororo são matriarcais, e hoje a nossa presença essencial nas missões é o testemunho coerente de vida, como mulheres realizadas e felizes, que apoiam as indígenas no trabalho da terra, no cuidado dos filhos, para que elas se desenvolvam como mulheres dignas. Já na cultura xavante os homens têm suas próprias reuniões, as mulheres ficam separadas. Então elas vêm sempre nos buscar para um conselho, uma palavra... a nossa presença salesiana se complementa ali, valorizando essas mulheres, a riqueza do artesanato, dos enfeites que elas fazem, das pinturas, o cuidado com as crianças”, detalha a salesiana.

 

O principal desafio, segundo ela, é dar continuidade aos projetos realizados, para que eles se tornem sustentáveis a longo prazo com o protagonismo das lideranças indígenas. Irmã Imelda destaca ainda a importância de trabalhar a autoestima das mulheres indígenas, especialmente as jovens. Ela ressalta, entretanto, que são desafios a serem enfrentados, e não empecilhos à missão. Sobre o que aprendeu como missionária, ela destaca a cultura, as danças e a arte, mas coloca como ponto principal a convivência: “Aprendemos na missão a viver com o essencial, que não precisamos de tantas coisas materiais para sermos felizes. E podemos conviver respeitando uns aos outros”.

 

Leia também

História: Dom Bosco e as Missões

Dia Mundial das Missões

Salesianos na Amazônia

 

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.