Comunidade de Paz

Friday, 02 January 2015 19:04 Written by  FMA - Filhas de Maria Auxiliadora
Todos os anos, no dia 1º de janeiro a Igreja celebra a Jornada Mundial da Paz, iniciada pelo Papa Paulo VI, em 1968.

Hoje ressoam ainda as palavras do Pontífice: "A paz não pode estar baseada em uma falsa retórica de palavras bem aceitas, porque correspondem às profundas e genuínas aspirações dos homens, mas que podem servir também, e serviram de fato algumas vezes, para esconder o vazio do verdadeiro espírito e das reais intenções de paz, ou até mesmo para cobrir sentimentos e ações de prepotência ou interesse de partes".

A memória de Paulo VI nos leva ao Vaticano, ao passado 8 de junho de 2014, quando o Papa Francisco e os dois presidentes da Palestina e Israel se reuniram para invocar o fim dos conflitos no Oriente Médio: «Para fazer a paz é preciso coragem, muito mais do que para fazer a guerra». A coragem da paz está faltando e a guerra continua a fazer vítimas inocentes e perseguições em tantas nações do mundo.

A Mensagem do Papa Francisco para a XLVIII Jornada Mundial da Paz, com o tema "“Não mais escravos, mas irmãos"”, diz respeito não apenas ao fundamento da paz, mas à sua realização concreta nas relações interpessoais. É um convite para transformar as relações sociais de uma relação de dependência-escravidão e de negação da humanidade do outro, para uma relação de fraternidade vivida entre irmãos e irmãs porque filhos do mesmo Pai.

A escravidão é uma ferida terrível, aberta no corpo da sociedade contemporânea. Para combatê-la eficazmente é preciso antes de tudo reconhecer a dignidade inviolável de cada pessoa humana, e ainda manter firme a referência à fraternidade, que exige a superação da desigualdade pela qual um homem pode tornar outro homem escravo, e o consequente empenho de proximidade e gratuidade para um caminho de libertação e inclusão de todos.

Contra a chaga da escravidão é preciso um “compromisso comum” que envolva todos, tanto em nível local – famílias, escolas, paróquias ...- como em nível global de Instituições estatais e da sociedade civil. Serem todos filhos de Deus torna os seres humanos irmãos e irmãs, com igual dignidade.

O Papa define a escravidão como crime de “lesa humanidade” e “ruptura da fraternidade e rejeição da comunhão” e convoca a família: «Em um mundo tantas vezes assinalado pelo egoísmo, a família numerosa é uma escola de solidariedade e de partilha; e estas atitudes beneficiam toda a sociedade». Enquanto primeira escola da vida e lugar primário da fraternidade, não deve se tornar um “lugar no qual a vida é traída, desprezada, negada, manipulada e vendida como se se pudesse dispor desse dom segundo os próprios interesses”. 

Madre Geral das Filhas de Maria Auxiliadora, Me. Yvonne Reungoat, afirma: "Como Instituto educacional, reafirmamos nossa escolha pela educação. A violência gratuita contra crianças inocentes e a tragédia de tanta famílias no luto reforçam o nosso compromisso no âmbito educacional. É aí que se põem as bases para uma cultura da vida, para o convívio das diferenças, o respeito dos direitos e deveres de cada pessoa, de cada cidadão. Aí se aprende a superar os conflitos e se cultivam sentimentos de solidariedade e de paz.  Juntos, como comunidades educativas, queremos nos empenhar  com convicção ainda maior, para formar aos valores indissolúveis da vida, da família – chamada a cuidar dela desde seu nascimento, ao senso cívico, ao respeito dos direitos humanos, à democracia."
 

A mensagem da Paz, em sintonia com o caminho pós-capitular – sobre o qual é preciso refletir, aprofundar pessoalmente e nos vários organismos de animação local e inspetorial, toque o coração de todas as comunidades para construir um futuro duradouro de paz e de fraternidade!

FMA - Filhas de Maria Auxiliadora

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Comunidade de Paz

Friday, 02 January 2015 19:04 Written by  FMA - Filhas de Maria Auxiliadora
Todos os anos, no dia 1º de janeiro a Igreja celebra a Jornada Mundial da Paz, iniciada pelo Papa Paulo VI, em 1968.

Hoje ressoam ainda as palavras do Pontífice: "A paz não pode estar baseada em uma falsa retórica de palavras bem aceitas, porque correspondem às profundas e genuínas aspirações dos homens, mas que podem servir também, e serviram de fato algumas vezes, para esconder o vazio do verdadeiro espírito e das reais intenções de paz, ou até mesmo para cobrir sentimentos e ações de prepotência ou interesse de partes".

A memória de Paulo VI nos leva ao Vaticano, ao passado 8 de junho de 2014, quando o Papa Francisco e os dois presidentes da Palestina e Israel se reuniram para invocar o fim dos conflitos no Oriente Médio: «Para fazer a paz é preciso coragem, muito mais do que para fazer a guerra». A coragem da paz está faltando e a guerra continua a fazer vítimas inocentes e perseguições em tantas nações do mundo.

A Mensagem do Papa Francisco para a XLVIII Jornada Mundial da Paz, com o tema "“Não mais escravos, mas irmãos"”, diz respeito não apenas ao fundamento da paz, mas à sua realização concreta nas relações interpessoais. É um convite para transformar as relações sociais de uma relação de dependência-escravidão e de negação da humanidade do outro, para uma relação de fraternidade vivida entre irmãos e irmãs porque filhos do mesmo Pai.

A escravidão é uma ferida terrível, aberta no corpo da sociedade contemporânea. Para combatê-la eficazmente é preciso antes de tudo reconhecer a dignidade inviolável de cada pessoa humana, e ainda manter firme a referência à fraternidade, que exige a superação da desigualdade pela qual um homem pode tornar outro homem escravo, e o consequente empenho de proximidade e gratuidade para um caminho de libertação e inclusão de todos.

Contra a chaga da escravidão é preciso um “compromisso comum” que envolva todos, tanto em nível local – famílias, escolas, paróquias ...- como em nível global de Instituições estatais e da sociedade civil. Serem todos filhos de Deus torna os seres humanos irmãos e irmãs, com igual dignidade.

O Papa define a escravidão como crime de “lesa humanidade” e “ruptura da fraternidade e rejeição da comunhão” e convoca a família: «Em um mundo tantas vezes assinalado pelo egoísmo, a família numerosa é uma escola de solidariedade e de partilha; e estas atitudes beneficiam toda a sociedade». Enquanto primeira escola da vida e lugar primário da fraternidade, não deve se tornar um “lugar no qual a vida é traída, desprezada, negada, manipulada e vendida como se se pudesse dispor desse dom segundo os próprios interesses”. 

Madre Geral das Filhas de Maria Auxiliadora, Me. Yvonne Reungoat, afirma: "Como Instituto educacional, reafirmamos nossa escolha pela educação. A violência gratuita contra crianças inocentes e a tragédia de tanta famílias no luto reforçam o nosso compromisso no âmbito educacional. É aí que se põem as bases para uma cultura da vida, para o convívio das diferenças, o respeito dos direitos e deveres de cada pessoa, de cada cidadão. Aí se aprende a superar os conflitos e se cultivam sentimentos de solidariedade e de paz.  Juntos, como comunidades educativas, queremos nos empenhar  com convicção ainda maior, para formar aos valores indissolúveis da vida, da família – chamada a cuidar dela desde seu nascimento, ao senso cívico, ao respeito dos direitos humanos, à democracia."
 

A mensagem da Paz, em sintonia com o caminho pós-capitular – sobre o qual é preciso refletir, aprofundar pessoalmente e nos vários organismos de animação local e inspetorial, toque o coração de todas as comunidades para construir um futuro duradouro de paz e de fraternidade!

FMA - Filhas de Maria Auxiliadora

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.