Cidadania digital na educação salesiana

Tuesday, 15 September 2020 16:40 Written by  Ir. Márcia Koffermann, FMA
Cidadania digital na educação salesiana iStock.com
Em um contexto sociocultural em que o ambiente digital passa a ser parte do cotidiano, a educação precisa tratar desta temática para ajudar os jovens a movimentarem-se com maior liberdade e responsabilidade nesse ambiente.    

Desde as suas origens, o carisma salesiano se propõe o objetivo de “formar bons cristãos e honestos cidadãos”, segundo as palavras do próprio Dom Bosco. Formar o honesto cidadão implica criar processos que levem a pessoa a agir com responsabilidade, criticidade e coerência de vida em qualquer situação. Com o advento da cultura digital, a formação para a cidadania digital é uma consequência imediata do agir educativo salesiano.

 

O Quadro Referencial da Pastoral Juvenil dos Salesianos coloca a necessidade de atuar com projetos orientados para criar processos comunicativos, ou seja, não basta propor atividades ou ações isoladas, é preciso gerar processos que facilitem a formação para a cidadania digital necessária a fim de que o jovem possa atuar de forma significativa nos lugares onde se encontra.

 

Linhas operativas

O documento aponta ainda algumas linhas operativas de intervenção que merecem ser relembradas aqui:

  • Formação para o uso crítico e educativo dos meios de Comunicação Social e das novas tecnologias;
  • Envolvimento na produção de mensagens e conteúdos destinados especificamente aos jovens, utilizando os meios à disposição;
  • Valorização da comunicação social como novo espaço de associação dos jovens;
  • Promoção e apreço de todas as formas e expressões de comunicação como a música, o teatro, o cinema, a televisão, a fotografia, os cartuns, as multimídias e outras expressões da arte, com uma clara finalidade educativa e evangelizadora.

 

Educomunicação

Também as Linhas Orientadoras da Missão Educativa das Filhas de Maria Auxiliadora trazem a perspectiva comunicativa como um elemento primordial na educação salesiana e apresentam a Educomunicação como prática transversal do carisma.

 

Segundo o documento, “ela orienta as comunidades educativas a assumir com maior consciência os aspectos comunicativos do Sistema Preventivo, a entrar com inteligência e competência na nova cultura digital, para dar um aporte significativo à qualidade da comunicação. As novas linguagens tecnológicas requerem educadoras e educadores capazes de captar suas potencialidades de humanização e, ao mesmo tempo, de evidenciar seus pontos vulneráveis para ajudar os jovens a utilizá-las de modo crítico e criativo”.

 

Tanto para as Salesianas, quanto para os Salesianos, educar para a cidadania digital é uma necessidade e um compromisso dos quais não é possível se omitir. Em um contexto sociocultural em que o ambiente digital passa a ser um lugar habitado e parte do cotidiano, a educação precisa tratar desta temática para ajudar os jovens a movimentarem-se com maior liberdade e responsabilidade nesse ambiente.

 

Em uma sociedade democrática, o uso e o acesso às tecnologias constituem um primeiro elemento que precisa ser pensado e os educadores e instituições salesianas precisam lutar por este direito, engajando-se nas ações voltadas para a democratização dos meios. Além do direito ao acesso, a sociedade democrática, marcada pela liberdade de expressão, precisa ser pautada pela responsabilidade com que se comunica algo.

 

Fake news

Neste sentido, é interessante trazer presente o atual debate em torno das fake news, que levanta uma série de questões éticas e cidadãs e que aponta à necessidade primordial de educar para o uso consciente e responsável da comunicação. Existe uma clara necessidade de formação das pessoas para o uso adequado dos meios, exigindo não apenas a formação de valores humanos e democráticos, mas também a capacidade de análise crítica dos conteúdos oferecidos e difundidos nas diferentes mídias.

 

Para tanto, são fundamentais o conhecimento e a capacitação para que a pessoa esteja em condições de discernir o que é fato e o que é uma manipulação da verdade em favor de interesses particulares. Daí a necessidade de uma educação de qualidade e de uma formação integral que levem o sujeito a interpretar a realidade, partindo do ponto de vista daqueles que são os mais fracos e inexpressivos na sociedade.

 

Assim, educar para a cidadania digital é um compromisso da educação salesiana e está ligado ao desejo de construção de um mundo segundo os critérios evangélicos, tendo em vista a construção do Reino de Deus no aqui e agora de nossa história.

 

Irmã Márcia Koffermann, FMA, é diretora-executiva da Rede Salesiana Brasil de Comunicação (RSB-Comunicação).

 

Leia também

Cidadania digital nos escritos de Papa Francisco

Cidadania digital segundo os documentos da Igreja

O que é cidadania digital?

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.


Cidadania digital na educação salesiana

Tuesday, 15 September 2020 16:40 Written by  Ir. Márcia Koffermann, FMA
Cidadania digital na educação salesiana iStock.com
Em um contexto sociocultural em que o ambiente digital passa a ser parte do cotidiano, a educação precisa tratar desta temática para ajudar os jovens a movimentarem-se com maior liberdade e responsabilidade nesse ambiente.    

Desde as suas origens, o carisma salesiano se propõe o objetivo de “formar bons cristãos e honestos cidadãos”, segundo as palavras do próprio Dom Bosco. Formar o honesto cidadão implica criar processos que levem a pessoa a agir com responsabilidade, criticidade e coerência de vida em qualquer situação. Com o advento da cultura digital, a formação para a cidadania digital é uma consequência imediata do agir educativo salesiano.

 

O Quadro Referencial da Pastoral Juvenil dos Salesianos coloca a necessidade de atuar com projetos orientados para criar processos comunicativos, ou seja, não basta propor atividades ou ações isoladas, é preciso gerar processos que facilitem a formação para a cidadania digital necessária a fim de que o jovem possa atuar de forma significativa nos lugares onde se encontra.

 

Linhas operativas

O documento aponta ainda algumas linhas operativas de intervenção que merecem ser relembradas aqui:

  • Formação para o uso crítico e educativo dos meios de Comunicação Social e das novas tecnologias;
  • Envolvimento na produção de mensagens e conteúdos destinados especificamente aos jovens, utilizando os meios à disposição;
  • Valorização da comunicação social como novo espaço de associação dos jovens;
  • Promoção e apreço de todas as formas e expressões de comunicação como a música, o teatro, o cinema, a televisão, a fotografia, os cartuns, as multimídias e outras expressões da arte, com uma clara finalidade educativa e evangelizadora.

 

Educomunicação

Também as Linhas Orientadoras da Missão Educativa das Filhas de Maria Auxiliadora trazem a perspectiva comunicativa como um elemento primordial na educação salesiana e apresentam a Educomunicação como prática transversal do carisma.

 

Segundo o documento, “ela orienta as comunidades educativas a assumir com maior consciência os aspectos comunicativos do Sistema Preventivo, a entrar com inteligência e competência na nova cultura digital, para dar um aporte significativo à qualidade da comunicação. As novas linguagens tecnológicas requerem educadoras e educadores capazes de captar suas potencialidades de humanização e, ao mesmo tempo, de evidenciar seus pontos vulneráveis para ajudar os jovens a utilizá-las de modo crítico e criativo”.

 

Tanto para as Salesianas, quanto para os Salesianos, educar para a cidadania digital é uma necessidade e um compromisso dos quais não é possível se omitir. Em um contexto sociocultural em que o ambiente digital passa a ser um lugar habitado e parte do cotidiano, a educação precisa tratar desta temática para ajudar os jovens a movimentarem-se com maior liberdade e responsabilidade nesse ambiente.

 

Em uma sociedade democrática, o uso e o acesso às tecnologias constituem um primeiro elemento que precisa ser pensado e os educadores e instituições salesianas precisam lutar por este direito, engajando-se nas ações voltadas para a democratização dos meios. Além do direito ao acesso, a sociedade democrática, marcada pela liberdade de expressão, precisa ser pautada pela responsabilidade com que se comunica algo.

 

Fake news

Neste sentido, é interessante trazer presente o atual debate em torno das fake news, que levanta uma série de questões éticas e cidadãs e que aponta à necessidade primordial de educar para o uso consciente e responsável da comunicação. Existe uma clara necessidade de formação das pessoas para o uso adequado dos meios, exigindo não apenas a formação de valores humanos e democráticos, mas também a capacidade de análise crítica dos conteúdos oferecidos e difundidos nas diferentes mídias.

 

Para tanto, são fundamentais o conhecimento e a capacitação para que a pessoa esteja em condições de discernir o que é fato e o que é uma manipulação da verdade em favor de interesses particulares. Daí a necessidade de uma educação de qualidade e de uma formação integral que levem o sujeito a interpretar a realidade, partindo do ponto de vista daqueles que são os mais fracos e inexpressivos na sociedade.

 

Assim, educar para a cidadania digital é um compromisso da educação salesiana e está ligado ao desejo de construção de um mundo segundo os critérios evangélicos, tendo em vista a construção do Reino de Deus no aqui e agora de nossa história.

 

Irmã Márcia Koffermann, FMA, é diretora-executiva da Rede Salesiana Brasil de Comunicação (RSB-Comunicação).

 

Leia também

Cidadania digital nos escritos de Papa Francisco

Cidadania digital segundo os documentos da Igreja

O que é cidadania digital?

Rate this item
(0 votes)

Leave a comment

Make sure you enter all the required information, indicated by an asterisk (*). HTML code is not allowed.